Sob degradação, Ilha Grande deve ter 'pedágio verde'

OESP, Metrópole, p. A22 - 13/09/2015
Sob degradação, Ilha Grande deve ter 'pedágio verde'
Cobrança de turista foi aprovada na Assembleia Legislativa; território é 80% composto por reservas ambientais

Carina Bacelar - Enviada especial

ILHA GRANDE - Quem chega à Ilha Grande, joia da Costa Verde fluminense, depara-se com o visual pacato da Vila do Abraão, com uma igreja, ruas de pedra ou de terra, águas esverdeadas. Beleza e simplicidade escondem problemas causados por turismo predatório e falta de investimentos. Agora, um projeto de lei do Poder Executivo do Estado do Rio, aprovado na Assembleia Legislativa neste mês, autoriza o controle da entrada de visitantes e a cobrança do "pedágio verde", taxa para quem chegar à ilha, cujo território, de 193 km², no município de Angra dos Reis, é 80% composto por reservas ambientais.
A população do Abraão, de cerca de 5 mil pessoas, até quadruplica na alta temporada. No verão, a cada dia, dois transatlânticos ancoram ao largo e milhares de turistas náuticos vão à terra. São rotineiros o acúmulo de lixo e o despejo de esgoto no mar. Só uma grande operadora oferece 45 paradas na ilha, em cinco navios, na temporada que vai de novembro a março.
O projeto de lei, que aguarda até o fim do mês a sanção do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), estabelece que o Estado poderá firmar parcerias público-privadas (PPPs) para atuar em unidades de conservação ambiental, com investimento revertido em ações de conservação, melhorias estruturais e atividades ligadas ao turismo. Como o texto autoriza a cobrança de taxas no acesso marítimo e rodoviário a essas áreas, e a entrada na Ilha Grande só ocorre por embarcações, a lei poderá, na prática, cobrar acesso, como já ocorre em Fernando de Noronha, em Pernambuco.
"Estamos navegando em águas desconhecidas. A Secretaria Estadual do Ambiente ainda não fez nenhuma consulta formal ao município de Angra dos Reis. O grande problema é a questão do acesso. A Vila do Abraão não é uma área dentro do parque. Se houver cobrança, será no cais público ou no portal do parque?", indaga o presidente da Fundação de Turismo de Angra dos Reis (TurisAngra), Klauber Valente. As três reservas ambientais são os parques estaduais da Ilha Grande e Marinho do Aventureiro e a Reserva Biológica da Praia de Sul.
Ainda não há previsão de quando e como as PPPs serão firmadas, caso haja a sanção do governador. O ponto de cobrança das eventuais taxas na Ilha Grande, se será no cais ou na entrada, já em terra, das reservas ambientais, também não foi definido. Em nota, a Secretaria do Ambiente informou que, "por enquanto, na Alerj, só foi autorizada a possibilidade desse projeto". "Agora, a Secretaria de Estado do Ambiente vai debater com o governo municipal e os moradores da ilha a proposta de cobrança."

Paraíso mal tratado. O paulista Ciro Leite D'Império, de 28 anos, se mudou há três meses com a namorada, Jéssica Monteiro, de 24, para gerenciar uma pousada na Praia do Abraão. Ele disse acreditar que a cobrança da taxa "pode ajudar", mas se for revertida para serviços públicos. "Se forem cobrar, deveriam desenvolver um sistema melhor de água e luz elétrica", acrescentou, lembrando que no dia anterior o fornecimento esteve cortado durante a maior parte do tempo. Na Ilha Grande, a energia chega por cabo submarino e é levada às casas por fios expostos, sujeitos a chuvas, ventos e queda de árvores.
A coleta de lixo acontece uma vez por dia. Os detritos, retirados das ruas em pequenos tratores, deixam a ilha rumo ao continente na embarcação Maré Alta, a única com essa finalidade na baixa temporada. Quando a ilha lota, o lixo se acumula, muitas vezes nas praias e trilhas. Em caminhada por toda a praia de Abraão, a reportagem do Estado flagrou três riachos poluídos desaguando no mar.
"Quando as bombas da estação de tratamento não funcionam, o esgoto sai na praia. O fornecimento de água é de uma rede que atendia o presídio. No verão, já está começando a faltar", afirmou o servidor público Jefferson Silva, de 60 anos, que foi nascido e criado ali.
A captação de água ocorre em rios da ilha. Existem três reservatórios, para 75 mil, 29 mil e 54 mil litros. Após utilizada, ela vai para a rede de esgoto, onde é tratada. Mas o sistema, de 16 anos, está defasado. Funcionários do Serviço Autônomo de Angra afirmam que a rede foi projetada para 7 mil pessoas, com uma margem de 20% excedente. No verão, acaba atendendo, no mínimo, o dobro.
Colapso. Há sete anos, moradores e comerciantes aguardam projetos do Prodetur (Programas Regionais de Desenvolvimento do Turismo), do governo estadual, que preveem obras nos sistemas de água, esgoto e eletricidade, urbanização das fachadas e capacitação de moradores para o turismo. Para o subprefeito de Ilha Grande, Ivan Mendes, "essa Vila está sob risco grave de colapso". "Estamos na porta de decretar um problema estrutural."
Entre os empresários, a sensação é que, com investimentos e obras necessárias, o turista poderia sair bem mais satisfeito. Um exemplo é a própria barca de passageiros que transporta visitantes e moradores. O cais no Abraão é tão arcaico que a nova barca Ilha Grande, mais confortável e moderna, está operando em Paquetá, na Baía de Guanabara. Com o píer quebrado e escondido por tapumes, sobraram para a Ilha Grande os assentos de madeira, revestidos pela camada fina de napa, de uma velha embarcação.
Outro lado. Procurada pelo Estado, a Secretaria Estadual de Transportes informou que a barca Ilha Grande não está operando no trecho entre o continente e a Ilha Grande, e sim do Rio a Paquetá, por uma "medida tomada pela concessionária (CCR) para adequação da frota de acordo com a demanda". Disse ainda que a embarcação "passa por registro, homologação, vistoria e teste de mar". "Existe ainda a necessidade de investimentos no píer do Abraão, sob responsabilidade da prefeitura de Angra dos Reis", relata o documento.
O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Angra dos Reis admitiu os problemas na rede de esgoto quando há falta de luz, mas ressaltou que dá assistência à população da ilha. A Prefeitura de Angra, inicialmente, informou que se pronunciaria por meio da TurisAngra e, posteriormente, questionada sobre problemas de luz, água e coleta de lixo, não se pronunciou.
A Ampla, concessionária responsável pelo fornecimento de energia elétrica, declarou em nota que tem um plano de investimentos de R$12 milhões para melhorar a qualidade dos serviços no local. "O plano prevê o lançamento de um segundo cabo submarino com 6 km de extensão de média tensão. Além disso, a distribuidora tem outros dois projetos de substituição de 10 km de rede de média tensão." Os projetos aguardariam licença ambiental.

OESP, 13/09/2015, Metrópole, p. A22

http://brasil.estadao.com.br/noticias/rio-de-janeiro,sob-degradacao--ilha-grande-deve-ter-pedagio-verde,1761172
UC:Geral

Related Protected Areas:

  • UC Ilha Grande (PES)
  • UC Praia do Sul
  • UC Marinho do Aventureiro
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.