As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Servico Florestal Brasileiro - http://www.florestal.gov.br/
30/05/2014
28a Reuniao da CEGEFLOP debate panorama economico e novas areas para concessao

A vigésima oitava reunião da Comissão de Gestão de Florestas Públicas (CGFLOP) foi realizada quarta-feira, 28/05, na sede do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), em Brasília. A reunião teve como temas o panorama econômico do setor florestal e as áreas passíveis de concessão florestal previstas pelo Plano Anual de Outorga Florestal (PAOF) 2015, além de uma apresentação sobre uma nova tecnologia que vêm sendo testada pelo SFB para realizar o monitoramento das áreas sob concessão.

Em apresentação sobre o panorama econômico, foram destacados dados sobre a produtividade do setor madeireiro, exportações e variação de preços por espécies, bem como informações sobre a produtividade e empregos diretos gerados pelas concessões florestais na esfera federal.

Outro ponto importante da pauta do dia foi a apresentação do PAOF 2015, que de acordo com a Lei de Gestão de Florestas Públicas (11.284/2006) deve ser submetido à apreciação da CGFLOP. De acordo com o documento 1,7 milhão de hectares de florestas públicas federais, nos estados do Pará, Amazônas e Rondônia, serão passíveis de manejo florestal no próximo ano.

A concessão de três unidades de manejo florestal (UMF) na Floresta Nacional de Caxiuanã, no Pará, próxima ao município de Portel, também foi debatida pelos membros da comissão. De acordo com apresentação do SFB, as três UMF, que somam 180 mil hectares, devem ser as próximas áreas a ter o processo licitatório iniciado, com a realização das primeiras audiências públicas prevista para o segundo semestre do ano.

Outro ponto que gerou interesse da CGFLOP foi a apresentação sobre uma nova metodologia que está sendo testada pelo SFB para fazer o monitoramento das áreas sob concessão florestal. Conhecida pelo nome Lidar, derivada do nome em inglês, Light Detection and Ranging, a tecnologia de varredura a laser faz o mapeamento das áreas em três dimensões, obtendo também dados sobre o que está abaixo das copas das árvores, o que permite analisar a estrutura do sub-bosque e a biomassa estocada, por exemplo.

As reuniões da CGFLOP ocorrem ordinariamente duas vezes por ano. A comissão, formada por representantes dos setores público, privado e terceiro setor, é o órgão de natureza consultiva do SFB e tem por finalidade assessorar, avaliar e propor diretrizes para a gestão das florestas públicas brasileiras.

http://www.florestal.gov.br/noticias-do-sfb/imagens-do-mural/28%C2%AA-re...