As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Globo Rural - http://revistagloborural.globo.com/
17/03/2011
Alcatrazes, no litoral norte de Sao Paulo, vai se tornar parque

Marinha deu sinal verde à proposta de transformar arquipélago de São Sebastião em Parque Nacional

Depois de quase três décadas, deverá sair do papel a proposta de transformar o Arquipélago dos Alcatrazes, em São Sebastião, litoral norte de São Paulo, em um Parque Nacional Marinho.

A Marinha do Brasil, que realiza exercícios de tiro no local, e o Ministério do Meio Ambiente, por meio do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), chegaram a um consenso junto a outros segmentos da sociedade civil e decidiram permitir a mudança de status do arquipélago, hoje vetado à visitação pública e até mesmo à circulação de embarcações.

Para que a mudança seja concretizada, um termo de compromisso terá de ser assinado entre os Ministérios do Meio Ambiente e da Defesa, de forma a conciliar os interesses de segurança nacional com a proteção do ecossistema local.

A Marinha aceitou mudar o local de treinamento de tiro para a Ponta do Farol, situado num local distante das ilhas principais, o que vai por fim a uma disputa que se arrasta na justiça há longos anos. Desde a década de 90, ambientalistas exigem a suspensão das manobras militares no arquipélago. A Marinha, por sua vez, alega que não há nenhum outro local no país para os exercícios.

Uma proposta elaborada pelo ICMBio foi apresentada oficialmente à Marinha. "Fizemos diversos estudos, observando a capacidade de suporte do ecossistema, as limitações de acesso e distâncias, entre outros itens", afirma Kelen Luciana Leite, chefe da Estação Ecológica Tupinambás, que abriga o ICMBio em São Sebastião.

No início da noite desta terça-feira (15/03), o ICMBio realizou a apresentação do projeto a empresários do litoral paulista que serão impactados pela alteração. A maior parte dos empresários é ligada a agências de turismo náutico.

http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI218737-18095,00-...