As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Agencia Amazonia - www.agenciaamazonia.com.br
26/09/2009
Amazonia tera US$ 120 mi para preservacao

Com recursos de US$ 120 milhões, o País poderá criar e conservar mais 20 milhões de hectares de áreas protegidas na Amazônia até 2013. Ao anunciá-los, durante o 7 Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, esta semana, em Curitiba (PR), a secretária de Biodiversidade e Florestas, Maria Cecília Wey de Brito, também previu uma terceira etapa do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), que vai durar até o ano de 2016.

A secretária anunciou a segunda etapa do Arpa, um dos principais impulsionadores de unidades de conservação na Amazônia. O programa possibilitou até agora a destinação de recursos técnicos e financeiros na criação ou implementação de 63 Unidades de Conservação, no total de 34 milhões de hectares.

Para consulta pública, a partir de agora o Ministério do Meio Ambiente mostrará em sua página na internet todos os dados sobre a segunda etapa do programa. "Os recursos contribuem de forma decisiva para que as unidades de conservação cumpram a sua missão de preservar a rica biodiversidade da região", ela comentou.

"A união faz a força"

No mês de agosto representantes das unidades de conservação da região sul da Amazônia e gestores estaduais reuniram-se na intenção de tirá-las do papel no melhor estilo "a união faz a força". Criados com a evidente intenção de barrar as frentes de desmatamento no norte de Mato Grosso, oeste de Rondônia e sul do Amazonas, mas sem infra-estrutura, recursos ou pessoal suficiente, 25 parques e reservas aproveitaram o apoio do Arpa e da agência alemã GTZ para organizar uma gestão mais barata e eficiente. Querem consolidar o Mosaico da Amazônia Meridional.

Trabalhar em conjunto e sanar os imensos obstáculos da gestão de áreas protegidas no arco do desmatamento é uma reação quase automática de quem trabalha na Amazônia. Ainda mais para salvaguardar uma área legalmente protegida de nada menos 10 milhões de hectares. "A gente já trabalha de forma integrada, a diferença é que isso agora vai ser oficializado e poderemos realmente dividir infra-estruturas, pontos de apoio, trabalhos em bloco. Tudo pode ser facilitado", diz a chefe do Parque Nacional do Juruena (MT-AM), Cristiane Figueiredo.

"Uma vez fizemos uma atividade de sinalização e fiscalização junto com o Parque Nacional dos Campos Amazônicos, na borda oeste do mosaico. O custo de cada placa era de R$ 500 reais. Juntos, economizamos e colocamos sete placas por R$ 2.800. Pode parecer pouco, mas isso faz uma grande diferença para nós", diz Izac Francisco Theobald, do Parque Estadual do Guariba, no Amazonas.

"Os mosaicos são instrumentos de gestão previstos no Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), assim como são as reservas da biosfera e os corredores ecológicos. São ferramentas em que um mais um é igual a três", resume Marcos Pinheiro, da WWF-Brasil, que ajudou na organização do encontro, que aconteceu em Chapada dos Guimarães (MT).

Amazonpec põe na vitrine produção do Pará

BELÉM, PA - O setor pecuário do Pará é destaque no 2 Encontro Internacional da Pecuária da Amazônia (Amazonpec), que começou quinta-feira em Belém, capital paraense. O evento abrange as cadeias produtivas de animais silvestres, apicultura e meliponicultura, aquicultura, avicultura, bovinocultura de corte e leite, bubalinocultura de corte e leite, equideocultura, ovinocaprinocultura e suinocultura.

O Amazonpec também apresenta a Feira de Negócios, Encontro de Negócios, Leilão de Animais e Seminários "para democratizar princípios da sustentabilidade ambiental, rentabilidade e técnicas mais adequadas para cada uma das cadeias produtivas abordadas".

O evento acontece no Centro de Convenções e Feiras da Amazônia (Hangar), um dos mais modernos e bonitos do País. Em 2008, o evento teve repercussão positiva em toda a Amazônia Legal. O evento foi um sucesso. Proporcionou negócios e alcançou seu objetivo maior, o de intensificar o uso de tecnologia para aperfeiçoar a pecuária na Amazônia, preservando a floresta.

(*) Colaboraram: Andrea Fanzeres (O Eco) e Agência Pará de Notícias.