As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Diario da Amazonia -Porto Velho-RO
28/02/2005
Areas de conservacao contempladas pelo Arpa

O projeto Arpa é uma iniciativa do Governo Federal, executado pelo Ministério do Meio Ambiente.

Quatro unidades de preservação ambiental de Rondônia receberão ainda este ano recursos na ordem de R$ 2,8 milhões do Banco Mundial e da organização não-governamental autônoma dedicada à conservação da natureza - a WWF. De acordo com o titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam), Augustinho Pastore, as áreas destinadas a receber os investimentos através do Projeto de Apoio às Áreas Protegidas na Amazônia (Arpa) são o Parque Estadual Corumbiara, Parque Estadual de Guajará-Mirim, a Estação Ecológica Estadual Serra dos Três Irmãos, e a Estação Ecológica Estadual Antônio Mujica Nava. O projeto Arpa é uma iniciativa do Governo Federal, executado pelo Ministério do Meio Ambiente, com apoio da aliança WWF e Banco Mundial para a conservação de florestas em todo o mundo, Global Environmental Facility (GEF), PPG-7 e KFW. O secretário Augustinho Pastore explicou que os investimentos feitos pelo Banco Mundial e WWF em Rondônia servirão para a identificação de novas áreas de floresta amazônica a serem protegidas, elaboração dos planos de manejo das unidades de conservação e infra-estrutura básica, como postos de vigilância e equipamentos necessários ao manejo das áreas de proteção integral. "De acordo com o projeto, todas as quatro unidades de preservação estadual receberão investimentos no período de 10 anos, desde que seja prestado conta anualmente dos investimentos. O dinheiro já está disponível e deve começar a ser movimentado em breve", garantiu o secretário. Para que o programa ganhe sustentabilidade, o WWF criou o Fundo Fiduciário, cuja renda será utilizada na futura manutenção dos parques e reservas. A administração de todos os recursos será compartilhada entre governo e organizações não-governamentais, reunidos num comitê paritário, com seis representantes de cada setor, sob coordenação do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio). Rondônia possui ao longo de seu território 42 unidades de preservação ambiental, divididas em áreas de proteção integral e de uso sustentável, e está na lista dos oito estados contemplados pelo Projeto Arpa. Amazonas, Acre, Pará, Roraima, Amapá, Mato Grosso e Tocantins também serão beneficiadas pelo programa. A meta do Projeto Arpa é em até 2012 proteger 50 milhões de hectares representativos das 23 ecorregiões do bioma Amazônia (AC, AP, AM, PA, RO, RR e norte do MT), incluindo os vários tipos de paisagens e recursos genéticos, bem como a diversidade das comunidades locais que se beneficiarão do programa.

O Projeto Arpa

O dinheiro destinados aos parques e reservas serão revestidos na compra de barcos, carros, equipamentos, no que compreende a infra-estrutura básica e de segurança, na construção e reforma dos postos de vigilância, no plano de manejo (que consiste no zoneamento da unidade, para identificação dos pontos de preservação ambiental e visitação, estudos científicos e arqueológicos, e locais apropriados para a implantação dos postos de fiscalização). A contratação de guardas-parques (seis para cada unidade), por meio de empresas de vigilância. O Arpa prevê ainda, o desenvolvimento de atividades com as comunidades do entorno das unidades, através da criação de projetos voltados a área de educação, saúde e geração de renda. Além da implantação de um Conselho Consultivo - composto por membros da própria comunidade. Em Rondônia, as quatro unidades de conservação irão ser reestruturadas, com a construção de sedes administrativas e de visitação, além de postos de fiscalização. A Estação Ecológica Estadual Três Irmãos, (que faz divisa com a Estação Ecológica Estadual Mugica Nava cujo no projeto consta como uma só unidade) por exemplo, possui hoje, dois postos de fiscalização e está previsto no projeto a construção de mais um posto e um alojamento. No Parque Estadual de Guajará-Mirim, já existe uma sede e três postos de fiscalização, por tanto, receberá mais uma sede e um posto. Já o Parque de Corumbiara, possui atualmente, um centro de visitação e três postos fiscais, porém, será construída uma sede e um novo posto de fiscalização. Para garantir a fiscalização das áreas serão contratados seis guardas-parques para cada unidade. O processo de contratação vai ocorrer via empresa de vigilância. Estes fiscais ficaram posicionados em pontos estratégicos dentro de cada área, de forma a assisti-las com precisão.
(-Diário da Amazônia -Porto Velho-RO-28/02/05)