As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

FSP, Cotidiano, p. C3
22/05/2009
Chuvas interditam parque nacional no interior do Piaui

Chuvas interditam parque nacional no interior do Piauí
Centro de visitantes está sem energia há semanas; MA registra nova morte

Matheus Pichonelli
Da agência Folha

O Parque Nacional de Sete Cidades, no interior do Piauí, onde se localizam alguns dos principais sítios arqueológicos do país, está interditado devido às chuvas. As águas obstruem o acesso às atrações da unidade. O parque, com 6.331 hectares -cerca de 40 vezes o parque Ibirapuera-, é conhecido por abrigar monumentos geológicos e pinturas rupestres, além de 22 nascentes, piscinas naturais e cachoeiras. A natureza da região, dizem especialistas, atesta a passagem do homem pré-histórico no local. Devido a lama, buracos e vias alagadas, carros não podem trafegar pelo parque. Desde abril, os 11 funcionários da unidade só conseguem chegar à sede com a ajuda de camionete com tração nas quatro rodas. Segundo Karlla Gomes, analista ambiental do parque, as chuvas danificaram para-raios. A fiação elétrica do centro de visitantes foi ao chão durante uma tempestade. O local está sem luz há semanas. O parque recebe 1.500 turistas por mês.

Morte no Maranhão
Mais uma morte em razão das chuvas foi confirmada pela Defesa Civil do Maranhão, elevando a 13 o total de vítimas no Estado. O corpo de um homem sumido havia quatro dias no rio Mearim foi achado em Bacabal. Os temporais já obrigaram mais de 300 mil pessoas a sair de casa e causaram 32 mortes no Nordeste -o Ceará, que divulgara 12 óbitos e decidiu rever a estatística, não tem o número exato. Nos nove Estados da região, 238 cidades decretaram situação de emergência. Em Trizidela do Vale (MA), que está com cerca de 80% das casas embaixo d'água, um dos reflexos das enchentes é a alta dos preços. Segundo o empresário Paulo Maratá, 46, o quilo do tomate, normalmente a R$ 4, sai hoje por R$ 8. O botijão de gás passou de R$ 34 para R$ 50. O comerciante de ovos Eugênio Sampaio, 53, diz que uma caixa com 360 unidades, antes vendida a R$ 37, passará a custar R$ 62 a partir de hoje. Segundo ele, o preço subiu devido às dificuldades no transporte.

Colaboraram Renata Baptista, Gustavo Hennemann e José Eduardo Rondon, da Agência Folha

FSP, 22/05/2009, Cotidiano, p. C3