As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Ministerio da Cultura - MinC - www.cultura.gov.br
06/08/2014
Copa das Arvores debate cultura e sustentabilidade dos povos indigenas

Será realizada entre os dias 7 e 11 de agosto, em Marechal Thaumaturgo (AC), a I Copa das Árvores, que tem como objetivo debater a sustentabilidade ambiental e a valorização e utilização dos conhecimentos tradicionais dos povos da floresta. O evento - que conta com apoio do Ministério da Cultura (MinC) - será realizado em plena Floresta Amazônica, na Aldeia Kuntamanã, do povo kuntanawa. A expectativa é que participem cerca de 600 a 700 indígenas de diversas etnias, além de representantes do poder público e de organizações da sociedade civil.

"A Copa das Árvores pretende promover uma maior conscientização sobre a necessidade de se adotar modelos produtivos mais coerentes com a questão da inclusão socioambiental, suprindo a crescente demanda alimentar e a sustentabilidade econômica dos povos indígenas e tradicionais", destaca Haru Kuntanawa, presidente da Associação Sociocultural e Ambiental Kuntamanã (Ascak) e coordenador do evento. "Outro objetivo é divulgar valores culturais, ambientais, medicinais e espirituais guardados pelos anciões de cada povo, que infelizmente vêm se perdendo e sendo esquecidos pelas novas gerações. Nossa intenção é que esse conhecimento seja repassado não só aos povos da floresta, mas a toda a sociedade", afirma.

Parte dessa transmissão do conhecimento tradicional será realizada na Casa dos Guardiões do Conhecimento, que foi construída na copa de um apuizeiro, árvore nativa da região. "A ideia é que os participantes tenham um contato direto com a floresta, e não há melhor lugar para isso do que na copa de uma árvore", considera Kuntanawa.

Entre as atividades previstas no evento estão o estudo e a implantação, com participação dos indígenas locais, do Modelo de Gestão Ambiental em Aldeias Indígenas (MGAAI). Serão discutidos temas como lixo, água, saneamento básico e educação ambiental, entre outros. "De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, todos os municípios brasileiros deverão erradicar seus lixões e optar por aterros sanitários. A Copa das Árvores pretende estruturar as estações de compostagem e o armazenamento e encaminhamento dos resíduos sólidos inorgânicos, deixando uma logística permanente na aldeia Kuntamanã", informa.

Outro evento a ser realizado é a I Feira de Sustentabilidade e Comércio Justo dos Povos Pano e Comunidades Extrativistas da Floresta. Além da venda de artigos produzidos pelos indígenas, a feira contará ainda com rodas de debate sobre economia solidária, comércio justo e economia criativa. A Copa das Árvores também terá torneios esportivos de modalidades tradicionais, como arco e flecha, lançamento de lança, natação, corrida e cipó de força (espécie de cabo de guerra), e jogos de futebol, em homenagem ao Mundial realizado no Brasil.

Segundo Kuntanawa, a meta é que a Copa das Árvores seja realizada de quatro em quatro anos (sempre em ano de Copa do Mundo), intercalada com as Olimpíadas dos Povos das Florestas, promovidas nos anos de Jogos Olímpicos. "Nossa intenção é que esses eventos circulem por outros biomas do Brasil, como Pantanal e Cerrado", adianta.

Mais informações sobre a Copa das Árvores:

copadasarvores@gmail.com
kuntanawa@gmail.com

Alessandro Mendes
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

http://www.cultura.gov.br/banner2/-/asset_publisher/B8a2Gazsrvex/content...