As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Museu Paraense Emilio Goeldi - www.museu-goeldi.br
10/03/2010
Goeldi realiza estudos da dinamica florestal em Caxiuana

A floresta amazônica, um dos ecossistemas mais importantes do mundo que abriga cerca de 45% das florestas tropicais, são requer atenção redobrada da comunidade científica.

O Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) em parceria com a Rede Amazônica de Inventários Florestais (RAINFOR), que inclui instituições dos 8 países do bioma amazônico, monitora algumas dessas áreas. Uma das principais bases de pesquisa é a Estação Científica Ferreira Penna, localizada na Floresta Nacional (Flona) de Caxiuanã, a 300 km de Belém.

Em novembro de 2009, aconteceu a mais recente expedição do MPEG à Flona Caxiuanã. Liderada pelo ecólogo Samuel Almeida, com participação do biólogo Antonio Sérgio da Silva e de outras seis pessoas para remedição de seis parcelas de um hectare cada. No recenseamento foram registrados dados sobre crescimento individual, mortalidade e recrutamento de novas plantas.

Foram desenvolvidas também atividades de manutenção das parcelas florestais permanentes, como substituição de etiquetas e marcação dos troncos com tinta, além de coleta de amostras de solo visando estimar as quantidades de carbono, crescimento de raízes e nutrientes. Os estudos de longo prazo sobre a dinâmica florestal têm ajudado no entendimento do efeito da fragmentação da floresta pelo desmatamento, e do impacto das mudanças climáticas no funcionamento da floresta amazônica.

Para os participantes da expedição, "a campanha foi bem sucedida com a remedição e registro de mortalidade e recrutamento de cerca de 3 mil plantas e foram coletadas amostras botânicas para identificação no Herbário do Museu Goeldi".

RAINFOR - A Rede Amazônica de Inventários Florestais (RAINFOR) foi estabelecida para reunir pesquisadores de toda a Amazônia que mantêm amostragens permanentes em parcelas de inventários florestais de um hectare (10.000 m2). As informações coletadas permitem esforços de compilação e padronização numa escala regional, permitindo estudos de comparação. Disponíveis em escala regional, as informações revelam as diversas maneiras como os ecossistemas amazônicos respondem aos efeitos já citados do desmatamento e mudanças climáticas globais.

Fazem parte da RAINFOR, além do ecólogo Samuel Almeida, os pesquisadores do Museu Goeldi, Ima Vieira e Rafael Salomão. Mais informações sobre essa rede podem ser acessadas no link: http://www.geog.leeds.ac.uk/projects/rainfor/