As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

A Critica, Cidades, p. C5
04/08/2004
Governo intensifica as acoes de fiscalizacao no Mamiraua

Governo intensifica as ações de fiscalização no Mamirauá

Ipaam fará doze visitas à reserva por ano para tentar deter pesca e extração ilegal de madeira da área
O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) está intensificando a fiscalização na Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá. Na última operação, realizada no final de julho, a equipe do Ipaam apreendeu uma tonelada e meia de pirarucu e tambaqui, 125 quilos de carne de caça, 175 peças de madeira em prancha, duas motosserras e cinco espingardas.
A operação teve o apoio da Polícia Militar Ambiental e de um fiscal do Ibama. A madeira e as motosserras ficaram em poder do Ibama enquanto a carne e o pescado apreendido foram doados à comunidade em Tefé. A partir de agora, o lpaam realizará doze viagens de fiscalização por ano na RDS de Mamirauá e outras unidades de conservação. A fiscalização tem o objetivo de combater atividades ilegais, como pesca predatória caça e retirada ilegal de madeira, bem como tráfico de animais silvestres.
0 presidente do Ipaam, Lúcio Rabelo, explicou que a fiscalização mais intensa está prevista no plano de gestão ambiental da reserva, cujas diretrizes foram firmadas na última segunda-feira, com a assinatura do convênio de cooperação técnica entre o Ipaam e a Sociedade Civil Mamirauá (SCM).
A partir da assinatura do convênio, as ações do Governo do Estado em Mamirauá serão mais intensas e pontuais, potencializando atividades como manejo florestal, manejo de pesca, artesanato e ecoturismo. 0 Ipaam atua como gestor da RDS e acompanhará a implantação de todas as atividades. Entre os projetos está prevista a instalação de duas unidades para produção de biodiesel, construção de um centro de treinamento em práticas para desenvolvimento sustentável, cursos sobre manejo florestal, pesqueiro, gestão comunitária e ecoturismo. Parte dos recursos para execução desses projetos será financiada pela Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia (Sect), que dispõe de R$ 10 milhões para financiamentos. A Reserva Mamirauá foi criada em 1990, possui área de 1.124.000 hectares e está localizada no Médio Solimões. A área é toda formada por várzeas e possui rica biodiversidade. A população da reserva é de aproximadamente 6.500 moradores e usuários distribuídos em 63 comunidades. A economia é baseada na pesca, agricultura e na produção madeireira, seguindo rígidos critérios de preservação ambiental, que permitem o desenvolvimento econômico e melhoria da qualidade de vida da população. A produção se destina ao consumo interno.

Destaque
O Modelo Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) foi desenvolvido pelo lpaam e é único no mundo. Ele se baseia no princípio de que a preservação ambiental não implica necessariamente em colocara floresta sob uma `redoma, excluindo as populações tradicionais que habitam a área.
Pontos
Manejo e pesquisa
Características de uma RDS Permanência, envolvimento e participação da população tradicional em todos os níveis.
Sólido programa de pesquisas científicas aplicadas à solução de problemas.
Uso sustentado dos vários recursos naturais, manejo integrado e participativo consolidado num Plano de Manejo de Redução das pressões antrópicas sobre o ambiente.
Melhoria da qualidade de vida, Melhores Níveis de Conservação e Proteção da Biodiversidade.
A RDS Mamirauá resulta da solicitação encaminhada pelo biólogo José Márcio Ayres ao Governo do Estado em 1985, para a criação de uma área de proteção pára o primata Uacari branco que estava ameaçado de extinção.
Esse tipo de unidade foi criado pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação
(SNUC), em 2000
Esta categoria foi inicialmente proposta pelo a SCM durante a execução do Projeto Mamirauá, e criada pelo Governo do Estado do Amazonas.

A Crítica, 04/08/2004, Cidades, p. C5