As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

O Globo, O Pais, p. 13
11/09/2011
Instituto Chico Mendes suspeita de incendios

Instituto Chico Mendes suspeita de incêndios
PF é chamada para investigar 'fortes indícios' de fogo criminoso na Floresta Nacional de Brasília

Roberto Maltchik
roberto.maltchik@bsb.oglobo.com.br

BRASÍLIA. O presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Rômulo Melo, pediu ontem apoio à Polícia Federal para investigar "fortes indícios" de incêndios criminosos na Floresta Nacional de Brasília. Toda a região Centro-Oeste sofre com extensasáreas de queimada, sendo que, só no Distrito Federal, três grandes focos de incêndio estão sendo combatidos, inclusive com o apoio de de aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB).
De acordo com Melo, servidores do ICMBio observaram a movimentação suspeita de pessoas em uma área que se mantinha intacta, na parte 2 da floresta, enquanto os brigadistas tentavam conter o fogo em um outro ponto. Na região onde esse grupo foi avistado, o fogo começou imediatamente e, agora, se alastra, ameaçando o Parque Nacional de Brasília, de acordo com o órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente. O presidente do ICMBio afirmou que o incêndio pode ter ocorrido em represália contra ações de fiscalização.
- O relato de nosso pessoal é que trata-se de um incêndio criminoso. Temos suspeitas sobre a autoria dessa ação criminosa. Nada, nenhuma disputa, justifica esse tipo de ação. Essas pessoas não fazem apenas um mal ambiental, prejudicama qualidade de vida de 2 milhões de pessoas que vivem em Brasília e sofrem com os efeitos da seca e da queimada--- afirmou Melo.
Apenas na Floresta Nacional de Brasília, as queimadas atingem 4 mi hectares, de 9 mil hectares de floresta. No Brasil, os incêndios provocados no período de seca deste ano já queimaram 250 mil hectares de unidades de conservação.

O Globo, 11/09/2011, O País, p. 13