As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Folha de Boa Vista - www.folhabv.com.br
20/03/2010
Instituto descarta criacao de reserva

A possibilidade de criação de uma Unidade de Conservação na região Serra da Lua, no Bonfim, foi rejeitada pelo técnico da área de criação do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio), Marcelo Kinouchi. O analista ambiental sobrevoou ontem a área e constatou que o número de pessoas que moram no local é significativo e inviabiliza a criação de uma reserva ambiental.

O local vinha sendo estudado pelo ICMBio para a criação de uma área de interesse ecológico com o intuito de preservar o lavrado roraimense, mas o fato de haver dezenas de famílias com propriedades centenárias foi levado em consideração pelo ambientalista. Kinouchi informou que encaminhará o parecer técnico da área para apreciação do Instituto Chico Mendes, em Brasília.

"Em relação à região do lavrado, nós fizemos um sobrevoo e confirmamos que há uma ocupação social bastante significativa na região e verificamos que fica difícil criar uma unidade no lavrado como ela foi pensada pelos técnicos do grupo de trabalho. Referente à situação que hoje se encontra em discussão, a gente entende que essa proposta não deverá ser levada adiante nessa área. Esse é um parecer técnico que ainda vai para Brasília, mas a princípio está descartado", afirmou.

Marcelo Kinouchi disse que houve um mau entendimento sobre a pretensão do Instituto em relação à região Serra da Lua, pois não havia sido articulada a criação do Parque Nacional do Lavrado e apenas era considerada como uma área de interesse ecológico. "É a primeira aproximação que a gente faz quando de um processo de criação. Depois são feitas outras aproximações considerando a questão fundiária e política que influenciam no desenho final da área. A área preliminar como foi divulgada na mídia acabou gerando desconforto local", disse.

A presidente da Femact (Fundação Estadual de Meio Ambiente, Ciências e Tecnologia), Luciana Surita, disse, em entrevista à Folha essa semana, que o Estado se posicionava contrário em relação à criação de qualquer reserva ambiental que viesse retirar as pessoas das áreas onde vivem. "Agora o medo de as pessoas perderem suas terras acabou. A região Serra da Lua foi descartada como proposta de criação de uma reserva ambiental", comentou.

Das áreas pretendidas para a criação de uma Unidade de Conservação pelo Instituto em Roraima, a Reserva Extrativista Jauaperi-Baixo Rio Branco é a que está em fase mais avançada. Segundo Surita, a criação da reserva ambiental consta no decreto de transferência de terras do domínio da União para o Estado, regulamentado no ano passado. "Em contrapartida, ficou determinado que a Unidade de Conservação seria criada em terra pertencente ao Estado", completou.

Kinouchi disse que a visita durante esta semana também foi para checar as circunstâncias das áreas de estudo junto ao Estado para a criação da Unidade de Conservação. "O processo de criação na reserva Jauaperi-Baixo Rio Branco já está em andamento desde 2001 e encontra-se em fase final. Confirmamos que as áreas de interesse do Estado para fins turísticos não estão dentro da reserva. A área não é conflitante com interesse político e essa é a proposta que está mais próxima para se definir a criação", antecipou.

http://www.folhabv.com.br/fbv/noticia.php?id=82505