As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Instituto Mamiraua - http://www.mamiraua.org.br
02/04/2015
Instituto Mamiraua promove Oficina de Multiplicacao de Conhecimentos em Sistemas Agroflorestais

A comunidade Boa Esperança tem tradição na agricultura. Localizada na Reserva Amanã, de sua área de uso saem produtos como frutas, açaí e mandioca. Justamente por essa característica que a comunidade foi escolhida para sediar, de 25 a 27 de março, a 3ª Oficina de Multiplicação de Conhecimentos em Sistemas Agroflorestais, promovida pelo Instituto Mamirauá. Agricultores, técnicos e pesquisadores da instituição estiveram reunidos durante esses três dias de atividades práticas, trocas e discussões.

Um casal de agricultores do estado do Pará foi convidado para o evento. "A dona Zinalva e o seu Pedreco apresentam características diferenciadas da agricultura, principalmente no que diz respeito à importância da família para a produção. Isso valoriza o potencial local e a agrega valor aos produtos que as famílias plantam", ressalta Samis Vieira, técnico do Instituto Mamirauá. O casal compartilhou técnicas sobre manejo e processamento de produtos locais.

Quatro etapas marcaram a oficina. Como o intuito geral é a troca de experiências entre os agricultores, no primeiro momento o grupo se reuniu para compartilhar as práticas de manejo que já fazem e discutir quais as práticas vêm dando certo ou errado. "É com base nessas informações que vamos construir uma proposta de manejo para as atividades em campo", conta Samis.

Nas etapas seguintes, o grupo trabalhou em duas áreas de uso. A primeira área foi um açaizal nativo. Para transformá-lo em área produtiva, a vegetação rasteira e as árvores de pequeno ou grande porte foram cortadas. A madeira é colocada em contato direto com o solo, para que a decomposição e a troca de nutrientes sejam mais eficientes. Galhos mais finos e folhas são depositados sobre esta madeira, favorecendo ainda mais o processo. "Durante essa limpeza fazemos uma seleção para não tirarmos todas as árvores e plantas. A ideia é criar um espaço ideal para o desenvolvimento do açaizeiro, enriquecendo a área também com espécies frutíferas como o cacau, o cupuaçu ou o limão", afirma Samis.

Depois é feita a seleção dos pés de açaí. Aqui são aplicados critérios de espaçamento entre as plantas, tamanho e condição de cada pé e raiz, observando a presença de fungos, por exemplo. Para Samis, "esta é uma etapa delicada. Escolher corretamente as palmeiras garante plantas que produzirão mais cedo e com mais qualidade".

A segunda área trabalhada foi a de um sítio, espaço que já foi um roçado de mandioca. Concomitantemente ao período de plantio da mandioca, os agricultores tradicionalmente vão enriquecendo a área com plantas frutíferas. Quando o roçado é deixado em pousio, vira uma capoeira. "Mas ali já está tudo plantado. As espécies frutíferas vão crescendo, e depois de algum tempo, os agricultores voltam nessa área, limpando e zelando por ela", conta Samis. Aplicando o que já havia visto na primeira área, o grupo fez a mesma ação de limpeza e de seleção de plantas, visando também aumentar o potencial produtivo do sítio. O grupo focou nas características e necessidades de cada planta, para criar ambientes mais adequados para o desenvolvimento dessas.

Além do manejo em áreas de plantio, também é importante valorizar os produtos locais. Durante a oficina, dona Zinalva trabalhou com as mulheres da comunidade sobre o aproveitamento integral dos alimentos, a produção de doces, tortas e trufas com frutas locais e com mandioca, e também a produção de artesanato com ouriços de castanha ou cipó da mata, por exemplo. Todos esses produtos tornam-se alternativas econômicas para venda de uma produção que já existe. "Eu sei desse jeito, ela sabe de outro. O importante é essa troca de conhecimentos", comenta a agricultora Nelma de Freitas.

Ao avaliar as atividades, o agricultor Luiz dos Reis lembrou que "o principal aqui é essa união e a organização do grupo. Que bom se muito mais gente participasse dessa atividade que estamos fazendo, isso é uma aprendizagem muito grande. Vi uma coisa aqui, que é fundamental para nossa vida, agregar valor em cima daquilo que nós já temos. Não adianta sonhar com tanta coisa se a gente não sabe como fazer ela se valorizar".

A oficina proporcionou um espaço rico para que o grupo discutisse a importância do manejo das áreas de uso, aplicando técnicas que melhoram a produção. "As discussões foram bastante minuciosas. Integrando as experiências de todos, construímos em conjunto essa proposta de manejo", conclui Samis.

Essas ações fazem parte do projeto "Participação e Sustentabilidade: o Uso Adequado da Biodiversidade e a Redução das Emissões de Carbono nas Florestas da Amazônia Central" - BioREC - desenvolvido pelo Instituto Mamirauá com financiamento do Fundo Amazônia.

http://www.mamiraua.org.br/pt-br/comunicacao/noticias/2015/4/2/instituto...