As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Jornal Floripa - http://www.jornalfloripa.com.br
23/07/2011
Javalis destroem lavouras de milho e soja em Santa Catarina

Javalis estão destruindo as lavouras de milho e soja do oeste de Santa Catarina. Cerca de 200 famílias que vivem próximas ao Parque Nacional das Araucárias já tiveram prejuízo, segundo a prefeitura de Ponte Serrada (494 quilômetros de Florianópolis).

O secretário de agricultura da cidade, Olivo Cortellini, afirma que as perdas dos produtores chegam a 75%.

O presidente do sindicato rural da cidade, José Foresti, foi um dos menos atingidos --15% de sua lavoura de soja foi destruída. Neste ano, os javalis o impediram de colher 600 sacas do produto (cerca de R$ 24 mil).

O produtor Roque Cecato perdeu metade de sua produção de milho. Ele conta que os javalis costumam estragar a lavoura em dois momentos: parte logo após feita a plantação e parte pouco antes da colheita, quando comem o milho.

O problema existe há cerca de cinco anos. Nem a Polícia Ambiental nem a coordenação do parque sabem quantos javalis vivem na região. Para tentar diminuir a presença dos animais, a polícia liberou a caça em todo o Estado.

Dentro do parque, porém, o abate é permitido apenas com autorização do Instituto Chico Mendes, responsável pela unidade de preservação. Até agora, ninguém pediu licença para isso.

O javali não é um animal nativo da região. Ele foi trazido pelos europeus para o Uruguai e entrou no país pelo Rio Grande do Sul.

O animal não tem um predador natural, o que dificulta o controle da espécie, segundo o chefe do parque, Juliano Rodrigues Oliveira.

http://www.jornalfloripa.com.br/brasil/index1.php?pg=verjornalfloripa&id...