As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

MMA - www.mma.gov.br
08/05/2009
Lideres comunitarios pedem pressa na criacao de Resex

Representantes das comunidades extrativistas das regiões do Renascer, no Pará, e Baixo Rio Branco/Jauaperi, na divisa dos estados do Amazonas e Roraima, pediram ontem (07) ao ministro Carlos Minc interfira junta à Casa Civil para acelerar o processo de criação das reservas extrativistas, propostas pelo Ministério do Meio Ambiente nas duas áreas. Os líderes comunitários informaram que é cada dia mais tenso o clima na região e o confronto entre a população local e os madeireiros e iminente.

Os problemas resultantes da exploração ilegal da madeira na região, segundo os extrativistas, vão além dos desmatamentos: também são a origem de contaminação dos rios, da escassez de alimentos, de graves problemas de saúde e da violência que que grassa na região. Exemplo disso é a comunidade da "Prainha", que vive às margens do rio Uruará, nos limites da proposta da Resex Renascer. Um documentário, apresentado ao ministro Carlos Minc, mostra os estragos feitos pelas balsas que colidem e destroem a vegetação das margens do rio quando fazem o transporte da madeira. Por onde passam deixam as águas do Uruará - originalmente cristalinas - turvas e estéreis.

Com a indefinição sobre as Resex, segundo os líderes comunitário Wadilson Oliveira Ferreira e Aloísio Barroso do Nascimento, madeireiros e outros predadores dos recursos da Amazônia - como os "tartarugueiros" dos rio Jauaperi - estão intensificando a exploração das áreas e acirrando o clima de confronto com as comunidades extrativistas.

O ministro explicou que as propostas do MMA para criação das reservas extrativistas foram questionadas pelos governos dos estados envolvidos e pelo Ministério de Minas e Energia, mas as negociações estão sendo finalizadas em bons termos e ele espera que em breve o presidente Lula possa assinar o decreto de criação das unidades.