As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

ICMBio - www.icmbio.gov.br
02/04/2009
Mais de 50 mil tartarugas-da-amazonia devolvidas a natureza no Para

A Reserva Biológica do Rio Trombetas e a Flona Saracá-Taquera, no Pará, só tem a comemorar. Cerca de 50 mil e 580 filhotes de tartarugas-da-amazônia e 4,1 mil filhotes de tracajá e pitiú foram devolvidos à natureza, além de ninhos monitorados em áreas de reprodução especialmente protegidas. Os dados são do relatório de atividades divulgado este mês.

Os números representam um crescimento na recuperação da população de quelônios. Em 2003 havia apenas 165 fêmeas desovando e foram soltos 8 mil filhotes de tartarugas-da-Amazônia. Após os vários investimentos em pesquisas voltadas ao manejo, proteção das praias e educação ambiental nas comunidades, alcançou-se o crescimento de 75% da população, que chegou a 650 fêmeas e mais de 50 mil filhotes devolvidos à natureza esse ano.

O trabalho, que acontece todos os anos de agosto a março, período que inicia a postura de tracajá e pitiú e a soltura dos filhotes em locais protegidos, concentrou-se nos tabuleiros do Farias e do Jacaré, no rio Trombetas, e nos lagos Jacaré e Erepecu, no interior das unidades de conservação.

Com a coordenação dos analistas ambientais do Instituto Chico Mendes (ICMBio) e monitoramento de agentes ambientais, participaram das atividades pesquisadores, comunitários, professores e alunos de escolas locais.

A vigilância das áreas garantiu que por 24 horas não houvesse nada que interferisse na subida das tartarugas às praias e na postura dos ovos. Também foram monitoradas a segurança dos ninhos, para que não ocorressem roubos, a passagem de embarcações, para controlar o nível de ruídos, e o nível das águas do rio, para poder agir rapidamente e retirar ninhos ameaçados em caso de inundação.

Em parceria com a comunidade Santa Maria, um grupo de 36 comunitários monitorou quatro locais de reprodução de tracajá e pitiú, marcando ninhos, transferindo ninhos ameaçados, anotando dados e mantendo os locais sem interferência, com supervisão de analistas ambientais do ICMBio. No final do trabalho foram liberados mais de quatro mil filhotes. Para abril desse ano estão agendadas reuniões de avaliações com os envolvidos no trabalho, quando será dado início à organização da próxima temporada em 2009 e 2010.