As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Museu Goeldi - Assessoria de Comunicacao Social
05/09/2006
Museu Goeldi descobre nova especie de serpente

A espécie foi encontrada durante coleta científica na Floresta Nacional de Caxiuanã.

Entrevistada: Ana Prudente (pesquisadora da Coordenação de Zoologia e curadora da Coleção Herpetológica do Museu Goeldi)
Local: Campus de Pesquisa (Av. Perimetral)

O Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) realizou uma importante descoberta zoológica neste mês de agosto. Na Floresta Nacional de Caxiuanã, localizada a 400 km de Belém, foi identificada a presença de uma nova espécie de serpente do gênero Atractus.

A descoberta foi feita pela Dra. Ana Prudente, da Coordenação de Zoologia do MPEG, tendo como co-autora a Dra.Maria Cristina dos Santos Costa, da Coordenação de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Pará (UFPA). As pesquisadoras constataram que se tratava de uma nova espécie quando analisavam o material coletado na Floresta Nacional de Caxiuanã e exemplares da Coleção Herpetológica (répteis) do MPEG. O processo de identificação revelou que três exemplares coletados em Caxiuanã apresentavam uma série de características diferente das outras conhecidas.

Atractus – A última vez que uma espécie de serpente do gênero Atractus foi detectada na Amazônia brasileira ocorreu em 2003 (a Atractus natans), descoberta que também teve a participação de Ana Prudente como co-autora e Dr. Marinus Hoogmoed, atualmente pesquisador convidado do Museu Goeldi, como autor.

O gênero Atractus abrange cerca de 100 espécies de serpente, que habitam desde o Panamá, na América Central, até o sul do Brasil. Até então, eram conhecidas 14 espécies desse gênero na Amazônia brasileira.

A 15ª espécie de Atractus encontrada foi batizada de Atractus caxiuana. “Esse nome foi dado em homenagem a Estação Científica do Museu Goeldi, em Caxiuanã, e ao próprio MPEG, que representa uma instituição amazônica geradora de conhecimento científico e que, além de estudar a biodiversidade, sabe preservá-la de forma profissional, científica e ética”, explica Ana Prudente.

O artigo sobre a descoberta da Atractus caxiuana já foi publicado (em inglês) em uma das mais importantes revistas sobre sistemática, a Zootaxa. Atualmente a publicação é avaliada com o conceito máximo pela CAPES, do Ministério da Educação. No endereço eletrônico da Zootaxa (www.mapress.com/zootaxa) está disponível o resumo do artigo da descrição desta nova espécie.

A Atractus caxiuana foi incorporada a Coleção Herpetológica do Goeldi, entretanto, não se trata apenas de mais um exemplar na Coleção, este é um holótipo. “Holótipo é o exemplar utilizado como referência para a descrição de uma nova espécie. Ele é importantíssimo do ponto de vista sistemático, porque é a prova física da nova descoberta!”, esclarece Prudente. Um dos indicadores da importância e qualidade das coleções científicas é o número de holótipos que ela possui. Dessa forma, a Coleção Herpetológica do Museu Goeldi ganha mais relevância no meio científico.

Para Ana Prudente, a descoberta de qualquer espécie é importante para o avanço do conhecimento científico. “Essa nova espécie de serpente representa um avanço no conhecimento da biodiversidade da Floresta Nacional de Caxiuanã, indicando que o processo do conhecimento científico é dinâmico, pois mesmo uma área que teoricamente já foi estudada, novas descobertas podem ocorrer”.