As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

G1 - http://g1.globo.com/
16/06/2015
Pesquisadores monitoram ariranhas em reserva ambiental no Amazonas

Espécie teve redução populacional na década de 1970, diz instituto.
Dados visam ajudar no desenvolvimento de estratégias de conservação.

Cientistas do Instituto Mamirauá realizam pesquisas com ariranhas (Pteronura brasiliensis) na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, no interior do Amazonas. O estudo é realizado há mais de 10 anos e acompanha o crescimento populacional da espécie na região.

De acordo com o Instituto Mamirauá, as pesquisas visam conhecer a biologia dos animais, sua distribuição geográfica e dados populacionais para o desenvolvimento de estratégias de conservação.

"Essas são questões apontadas como metas no Plano Nacional de Conservação da Ariranha, elaborado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), com 42 metas que abrangem desde a parte de genética e ecologia até zoonoses e outros pontos", disse o pesquisador, André Giovanni Coelho.

O monitoramento populacional na Reserva Amanã realizado entre 2004 e 2008 registrou 711 indícios da presença de ariranhas, entre animais observados e vestígios. Foram identificados 167 indivíduos da espécie. Entre esses, 75 faziam parte de 12 comunidades sociais, e os demais foram avistados individualmente.

"Essa pesquisa é importante porque é um levantamento dez anos depois do primeiro registro de reocupação dos animais nessa região, pretendemos continuar acompanhando o possível crescimento populacional da espécie. Conforme a população aumenta, o conflito com as pessoas também pode aumentar, principalmente pela disputa do recurso pesqueiro", afirmou o pesquisador.

Segundo o instituto, a espécie sofreu redução populacional em meados da década de 1970, principalmente em função da caça para venda de peles, além de outros conflitos com humanos.

http://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2015/06/pesquisadores-monitoram-...