As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

G1, com informacoes do Bom Dia Brasil
04/12/2007
Populacao de Terra do Meio sofre com falta de estrutura

Brasileiros que moram na Terra do Meio (PA), entre os rios Xingu e Iriri, sofrem com a falta de escolas, médicos e Justiça. Nesse imenso mosaico de unidades de conservação, cercado por terras indígenas, e formado pela área de proteção ambiental Triunfo do Xingu, problemas como devastação, grilagem e homens marcados para morrer são constantes.

Vindos do Nordeste, os seringueiros chegaram à selva bruta na primeira metade do século passado. Eles formam a comunidade de cerca de 300 famílias chamadas ribeirinhas ou beiradeiras. Elas vivem na Floresta Amazônica e dela se consideram guardiões.

Os moradores dessa área não têm acesso a supermercados e nem a remédios como o anticoncepcional, por exemplo. Todos os produtos de que precisam, e aquele que estiver disponível, é trocado por peixe no "Regatão", que fornece, entre outras coisas, anzol, açúcar e alimento. É o comércio sem moeda da Terra do Meio.

Apesar disso, quem mora no beiradão do Xingu tem uma enorme capacidade de adaptação às imposições da selva e se orgulha de ser brasileiro, como é o caso do pescador Chico Feitosa, que nunca saiu de lá, e só de uns tempos para cá é que ouviu falar nessa tal de televisão. Ainda assim, a transmissão televisiva chega ao beiradão sem nitidez de imagem.