As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Instituto Chico Mendes
14/01/2016
Presidente se reune com Instituicoes em Abrolhos

Brasília (14/01/2016) - Na semana passada, foi verificada a presença de uma mancha de sedimentos no Parque Nacional Marinho de Abrolhos (BA), que poderia ser sedimentos provenientes da lama da barragem rompida em Mariana (MG), de responsabilidade da empresa Samarco. Em função disso, o presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Cláudio Maretti, esteve entre os dias 11 e 13 de janeiro na região sul da Bahia. Na ocasião, o presidente participou de um sobrevoo nas áreas possivelmente atingidas e se reuniu com instituições governamentais e parceiras do ICMBio e representantes da sociedade para discutir um panorama atual da situação e definir os próximos passos das atividades de monitoramento e possivelmente de autuação.

Na segunda-feira (11) houve reunião com várias organizações, incluindo Ibama, Marinha Nacional, Prefeitura de Caravelas etc. Na terça-feira (12), em reunião com a diretora-geral do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Márcia Telles, e técnicos. Em ambas reuniões foi discutida a situação, para nivelamento de informações e consolidação de opiniões técnicas, o interesse no intercâmbio de informações e a coordenação de ações. "Há um interesse significativo de várias organizações de atuar de forma coordenada e complementar para poder avaliar a situação eventual de impacto na biodiversidade, entre elas o ICMBio, liderando no caso das unidades de conservação federais, nesta região mais focada no Parque de Abrolhos e na Reserva Extrativista Cassurubá (BA), além do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Marinha Nacional, Prefeitura de Caravelas e o governo do Estado da Bahia", declarou Cláudio Maretti.

Reforçando o que já foi dito em entrevista coletiva com a presidente do Ibama, Marilene Ramos, no dia 07 da última semana, Maretti diz que a concentração da pluma que pode ter chegado à região sul da Bahia, é a mais fraca, ou seja, que apresenta uma menor quantidade de sedimentos. No litoral do Espírito Santo foram verificados três tipos de manchas diferentes em termos de concentração, a mais densa, próxima à Foz do Rio Doce, uma considerada intermediária e uma de menor concentração, essa é a que possivelmente pode ter chegado ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos e à Reserva Extrativista Cassurubá.

Em relação à toxicidade da água, Maretti afirma que os órgãos federais ainda não têm nenhuma informação confirmada e nenhuma recomendação de restrição de balneabilidade. Além disso, ele reitera que o Parque Nacional Marinho de Abrolhos e a Reserva Extrativista Cassurubá continuam abertos à visitações.

Segundo Maretti, a conclusão inicial, que ainda precisa ser confirmada, é a possibilidade de a mobilização de uma pluma de sedimentos ser mais dependente da movimentação dos ventos que situações normais de sedimentos nessa área. "Isso significa que em uma próxima situação de frente fria, com vento sul, teremos que estar alertas para avaliar e acompanhar a possibilidade de novo deslocamento dessa pluma de sedimentos para a região sul da Bahia", ressaltou o presidente.

O ICMBio entende que a empresa Samarco deverá continuar realizando sobrevoos e coletas e analses regulares da água na região, conforme solicitado pelos órgãos ambientais. As amostras serão observadas de acordo com parâmetros similares aos que estão sendo observados no Espírito Santo, em particular turbidez e presença de elementos de composição química, como metais e outros. O monitoramento emergencial futuro deverá ser melhor avaliado em coordenação com o Ibama, para definição de prazos e outros detalhes.

Além disso, o Instituto continuará o esforço de interlocução com outros órgãos para definição de monitoramento de médio e longo prazo e ao mesmo tempo de avaliação dos impactos sofridos em todas unidades de conservação federais que possam ser associados ao desastre ambiental de Mariana para fins de possível autuação.

Íntegra da notícia: http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/4-destaques/7477-pr...