As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

ICMBio - www.icmbio.gov.br
08/05/2009
Projeto vai enriquecer castanhais no entorno da Rebio do Rio Trombetas

Técnicos da Reserva Biológica (Rebio) do Rio Trombetas e da Floresta Nacional (Flona) Saracá-Taquera, no oeste do Pará, acabam de participar da oficina de Planejamento Participativo de Melhoria Cadeia de Valor da Castanha, em Oriximiná (PA).

O objetivo foi definir ações que podem ser feitas para garantir a conservação dos castanhais, melhorar a qualidade e o valor do produto e proporcionar mais qualidade de vida às famílias dos coletores.

Participaram da oficina representantes do órgãos do governo e da sociedade civil, entre eles, os ministérios do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Agrário, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Pará, cooperativa dos quilombos, sindicatos de trabalhadores rurais, Comissão Pró-Índio de São Paulo, além de lideranças comunitárias locais.

Uma parte significativa da produção de castanha do município de Oriximiná vem dos castanhais da Rebio do Rio Trombetas. Neste ano, será iniciado projeto de plantio, manejo e enriquecimento de castanhais no entorno da unidade que poderão ser plantados juntamente com outras espécies já cultivadas pelas comunidades.

O primeiro passo será a ampliação do viveiro de mudas do Posto Patauá, na Flona Saracá-Taquera, para produção de mudas de castanha e de outras espécies de interesse das comunidades. Ao mesmo tempo será iniciada a coleta das sementes selecionadas das castanheiras com as melhores características, com produção de muitos ouriços e sementes graúdas.

Com esse projeto, será possível aumentar a produção de castanha fora da Rebio e, em alguns anos, diminuir o impacto ambiental da coleta dentro da unidade. "Estaremos, dessa forma, alcançando um dos objetivos das unidades, que é ter parceria com as comunidades para a conservação da biodiversidade", disse Carlos Augusto de Alencar Pinheiro, chefe da Rebio.