As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

OESP, Vida, p.A16
10/05/2005
Sem pressa para as areas de araucarias

Sem pressa para as áreas de araucárias
Deve haver novos debates entre ministério e prefeituras de
Santa Catarina para definir como será área de proteção ambiental
Gilse Guedes
O Ministério do Meio Ambiente (MMA) poderá abrir novas consultas públicas para a criação da Área de Proteção Ambiental (APA) das Araucárias, com 419 mil hectares, em Santa Catarina. Esses encontros deverão ser organizados, caso haja interesse das prefeituras localizadas na região da APA das Araucárias.
A criação da área de proteção ambiental em Santa Catarina já foi discutida em consultas públicas entre os dias 18 e 27. Segundo o secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, João Paulo Capobianco, a decisão foi tomada ontem depois de um encontro com o governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira.
O MMA propõe implementar oito áreas protegidas, sete de proteção integral (122,8 mil hectares) e uma de uso sustentável. Além de abrigar a APA das Araucárias, o Estado deverá ter ainda a Estação Ecológica da Mata Preta e o Parque Nacional das Araucárias.
Segundo Capobianco, há desinformação a respeito da criação da APA. "Algumas reuniões para discutir o assunto foram tumultuadas. Se as prefeituras quiserem realizar discussões com mais tranqüilidade, o ministério estará aberto para marcar novas consultas públicas. Poderemos aproveitar a oportunidade para deixar claro que não haverá desemprego com a criação da área de conservação", declarou Capobianco.
De acordo com ele, o governador de Santa Catarina defende a proteção das araucárias, mas vê a necessidade de novos debates sobre o assunto. As prefeituras de Ponte Serrada, Passos Maia e Abelardo Luz, localizadas na região, deverão enviar ofícios ao MMA requisitando as novas consultas públicas. Caso não haja interesse das prefeituras, o governo dará seqüência aos trabalhos de formatação da proposta, a ser encaminhada ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva para aprovação.

OESP, 10/05/2005, p. A16