As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br
17/12/2012
Sete cidades e candidato ao titulo de Geoparque

Devido à riqueza e ao valor histórico e científico de seus sítios geológicos, ou geossítios, o Parque Nacional (Parna) das Sete Cidades, situado entre os municípios de Piracururca e Brasileira, no Piauí, concorre ao título de Geoparque, que deve ser oficializado nos moldes determinados pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura a partir de proposta elaborada em 2011 pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

Geoparque é um território que abrange determinado número de sítios geológicos de importância científica, ecológica, arqueológica, histórica, cultural, raros e cenicamente belos que sejam representativos de uma região, tendo ainda limites definidos e área suficiente para servir de apoio ao desenvolvimento socioeconômico local.

"Veio um questionário do CPRM junto com o projeto e já enviamos para a Unesco em Brasília. Agora é só aguardar o resultado", revela a chefe da unidade de conservação (UC) geridada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Karlla Gomes. Atualmente, a equipe gestora do Parna Sete Cidades se dedica ao projeto de ampliação da UC e à revisão de seu Plano de Manejo.

Sete Cidades

Criado pelo Decreto 50.744 de 8 de junho de 1961, o Parque Nacional das Sete Cidades é um dos mais antigos do Brasil. Tem área de 6.221,48 hectares e se caracteriza por enormes estruturas rochosas com cerca de 190 milhões de anos conhecidas como "As Sete Cidades de Pedra", envolvidas por riachos, cachoeiras e vegetação de transição entre Cerrado e Caatinga.

Chamam atenção nestes "paredões" diversas inscrições e pinturas rupestres, que atraem ao parque não apenas pesquisadores de botânica e geologia e, principalmente, arqueologia.

A flora local é composta por espécies como murici, lixeira, bacuri e cascudo, nas áreas de cerrado, e aroeira, xique-xique e juazeiro, nas porções de caatinga. A fauna reúne gatos-do-mato, onças-pardas, mocós, pacas, camaleões, pica-paus e cascavéis, entre outras espécies de mamíferos, aves e répteis.

http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/20-geral5/3572-sete...