Programa de grande escala da biosfera-atmosfera (LBA)

Em setembro de 2007 o Programa de grande escala da biosfera-atmosfera da Amazônia LBA tornou-se um programa de governo, renovando a agenda de pesquisas iniciada em 1998, quando era mantido por acordos de cooperação internacional. O LBA,  sob a coordenação cientifica do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, é uma das maiores experiências científicas do mundo na área ambiental: soma 156 projetos de pesquisa (mais de 100 já finalizados), desenvolvidos por 281 instituições nacionais e estrangeiras, e ampla contribuição para a formação de pesquisadores, sendo mais de 500 mestres e doutores brasileiros.

Mais de 150 pesquisas da chamada "ciência de ponta", em parcerias com cerca de 280 instituições nacionais e estrangeiras, realizadas por 1400 cientistas brasileiros e outros 900 pesquisadores de países amazônicos, de 8 nações européias e de instituições americanas, visaram estudar e entender as mudanças climáticas e ambientais em curso, para favorecer um processo de desenvolvimento sustentável na Amazônia. Os resultados integrados, obtidos pelas diferentes equipes de cientistas, têm permitido entender alguns mecanismos que governam as interações da floresta com a atmosfera, tanto em condições naturais (da floresta intacta) como alteradas.

O LBA tem contribuído para melhorar os modelos de previsão climática; medir as emissões de carbono das hidrelétricas na Amazônia e o potencial uso do metano para geração de energia elétrica adicional nas usinas; realizar novas medidas reais de densidade da madeira no sul da Amazônia, mostrando que biomassa acumulada é menor do que em estimativas anteriores.

Fonte: Programa de Grande Escala da Biosfera - Atmosfora da Amazônia (LBA). Acesso ao site em novembro de 2014, acesse clicando aqui.