Ingarikó realizam assembleia e ICMBio empossa conselheiros do Parna Monte Roraima

ISA - http://www.socioambiental.org - 07/12/2012
Foram empossados oito membros de organizações e do povo Ingarikó para o Conselho Gestor do Parque Nacional (Parna) Monte Roraima, no extremo norte da Terra Indígena (TI) Raposa-Serra do Sol (RR). A posse ocorreu durante a 13ª assembleia do Conselho do Povo Ingarikó (Coping), entre 26 e 28 de novembro, na comunidade Serra do Sol.

Com 116 mil hectares e criado em 1989, o Parna está totalmente sobreposto à TI, cujo decreto de homologação, de 2008, definiu que os Ingarikó devem gerir a área em conjunto com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO) e a Fundação Nacional do Índio (Funai).

A assembleia reafirmou que são os Ingarikó, em gestão compartilhada com os dois órgãos, que vão implementar medidas de proteção da biodiversidade e de promoção dos direitos das comunidades locais. A posição baseia-se em interpretação das condicionantes da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que confirmou, em 2009, a demarcação da TI em área contínua.

O ICMBio pretende realizar a primeira reunião do conselho gestor, criado em julho, e empossar os demais conselheiros no inicio do próximo ano, segundo o coordenador do Parna, Ponciano Dias. Um dos primeiros temas a ser discutido deverá ser a aprovação do Plano Pata Eseru, que define a forma de gestão do Parna e ações relativas ao turismo na região.

Problemas e políticas

Na assembleia, foram discutidos os principais problemas e políticas públicas necessárias às 11 comunidades da área. O Projeto de Lei (PL) 1.610/1996, em discussão na Câmara, foi repudiado no encontro. A proposta pretende regulamentar a atividade de mineração em TIs. De acordo com os participantes, a mineração pode comprometer o modo de vida das comunidades, regido pela prática do Aleluia, religião praticada há mais de cem anos na região (saiba mais:http://pib.socioambiental.org/pt/povo/ingariko/1864).

A proteção da religião Ingarikó foi outro ponto debatido na assembleia. A representante do Instituto do Patrimônio e Artístico Nacional (Iphan) em Roraima, Monica Padilha, disse que está encaminhando dentro do órgão a solicitação feita pelo Coping para que o Aleluia seja reconhecido como patrimônio cultural nacional.

Ainda na assembleia, representantes da Secretaria de Agricultura do Estado de Roraima, a convite de André Vasconcelos, coordenador da Funai no estado, apresentaram os programas federais que visam incentivar a agricultura indígena e a aquisição dos produtos para consumo das próprias comunidades.

O tema da segurança alimentar, em especial os casos de desnutrição infantil e de beribéri, foi bastante debatido na assembleia passada (leia mais:http://www.socioambiental.org/nsa/detalhe?id=3422). O problema motivou a Funai a apoiar a realização de uma feira de sementes, em março, na comunidade Manalai, e promover uma estratégia baseada na construção de parcerias institucionais para melhorar a produção de alimentos das comunidades.

Participaram da assembleia representantes da Ajuda da Igreja da Noruega (AIN), que, em parceria com o ISA e o Conselho Indígena de Roraima (CIR), buscam a construção de soluções para geração de energia na região das Serras, área visada para a construção de hidrelétricas.

Haldis Kárstad e Thembani Chamane, da AIN, disseram-se impressionados com a organização indígena e as semelhanças de problemas enfrentados por povos que apoiam na África e Sudoeste Asiático.

No último dia a assembleia, o Coping escolheu um novo presidente para o biênio 2013-2014, o tuxaua da comunidade Awandei, Miguel Jones. Para secretário, foi escolhido o professor Adailton Barbosa Semeão, da comunidade Manalai e, para tesoureiro, o agente de saúde Enoque Benedito de Souza, da comunidade Serra do Sol.



http://www.socioambiental.org/noticias/nsa/detalhe?id=3711
UC:Parque

Related Protected Areas:

  • UC Monte Roraima
  • TI Raposa Serra do Sol
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.