#RetrocessoAmbientalNão: MPs que reduziam áreas protegidas na Amazônia são vetadas

MPF - http://www.mpf.mp.br/ - 19/06/2017
O presidente Michel Temer vetou nesta segunda-feira (19) as Medidas Provisórias 756 e 758, que reduziam a proteção de 600 mil hectares na Amazônia. Vetada integralmente, a MP 756 diminuía em quase 57% a área da Floresta Nacional (Flona) do Jamanxim, no Pará, recategorizando 480 mil hectares como unidades de conservação com menor grau de proteção. A medida também reduzia áreas da Reserva Biológica Nascentes da Serra do Cachimbo, no Pará, e do Parque Nacional de São Joaquim, em Santa Catarina. Já a MP 758 - que alterava os limites do Parque Nacional do Jamanxim e a Flona do Trairão, ambos no Pará - foi vetada parcialmente, com a retirada dos trechos que diminuíam a proteção ambiental das áreas.

As duas medidas provisórias foram questionadas pelo Ministério Público Federal, por meio de nota técnica divulgada no dia 10 de maio deste ano (leia a íntegra aqui) e durante a mobilização #RetrocessoAmbientalNão. No texto da nota, elaborada pela 4ª Câmara de Coordenação e Revisão (Meio Ambiente e Patrimônio Cultural), o MPF alertou para o crescimento de quase 60% do desmatamento no Brasil entre 2014 e 2016 (dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais/Inpe). As duas MPs, se sancionadas da forma como estavam, representariam estímulo ao desmatamento e às ocupações ilegais de terras na Amazônia, com grande prejuízo ao meio ambiente, alertava a nota do Ministério Público.

"É um retrocesso a menos", avalia o procurador da República Daniel Azeredo, secretário-executivo da 4CCR, ao comentar o veto às duas MPs. "O MPF continua acompanhando a agenda legislativa, na tentativa de evitar outros retrocessos na área ambiental, principalmente no que diz respeito ao licenciamento ambiental e à flexibilização dos agrotóxicos", explica o coordenador da 4CCR, o subprocurador-geral da República Nivio de Freitas.

Retrocesso não - A mobilização que questionou a duas MPs teve início em maio. Durante quase um mês, notas técnicas, vídeos e postagens nas redes sociais buscaram debater os principais riscos e ameaças de retrocesso ambiental no Brasil em quatro eixos temáticos: licenciamento ambiental, agrotóxicos, unidades de conservação e regularização fundiária (MP 759).

No dia 2 de junho, tuitaço sobre o tema colocou a hashtag #RetrocessoAmbientalNão entre os assuntos mais comentados no Twitter no Brasil por mais de uma hora. A mobilização digital ganhou a adesão de outras unidades do Ministério Público, organizações não-governamentais, entidades parceiras e celebridades como a supermodelo Gisele Bündchen e o cantor Caetano Veloso. No dia 5 de junho, dia mundial do meio ambiente, evento realizado na PGR reuniu membros do MPF e especialistas para discutir estratégias de combate ao retrocesso ambiental.

Além das MPs que reduziam áreas protegidas na Amazônia, outras medidas legislativas criticadas pelo Ministério Público Federal são o PL 3.729, que objetiva instituir a Lei Geral de Licenciamento Ambiental, e os projetos que pretendem flexibilizar a liberação dos agrotóxicos.



http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/retrocessoambientalnao-mps-que-reduziam-areas-protegidas-na-amazonia-sao-vetadas
UC:Geral

Related Protected Areas:

  • UC São Joaquim
  • UC Nascentes da Serra do Cachimbo
  • UC Jamanxim
  • UC Trairão
  • UC Jamanxim
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.