The news published here are searched daily in different sources and transcribed here as shown in the original location. The Instituto Socioambiental does not take any responsibility for errors or opinions published in those texts.

ICMBio http://www.icmbio.gov.br/portal/
07/10/2018
Iguacu registra nascimento de tres oncas pintadas

O Parque Nacional do Iguaçu e o Projeto Onças do Iguaçu não tem somente um, mas três motivos para comemorar. A equipe descobriu, ontem, que a onça Atiaia é mãe de três lindos filhotinhos que devem ter por volta de dois meses de idade. O primeiro encontro com Atiaia e um de seus filhotes foi registrado no dia 28 de julho. Dias depois, os pesquisadores constataram que Atiaia era mãe de trigêmeos. Não é a primeira ninhada da onça, que já é mãe de Caiuá, um macho de dois anos que não depende mais dela.

As onças-pintadas são animais que ocorrem nos principais biomas brasileiros, com diferentes graus de ameaça de extinção em todos. Na Mata Atlântica, bioma no qual o Parque está inserido, o animal está criticamente ameaçado com menos de 300 indivíduos em todo o bioma. No Parque Nacional do Iguaçu o último censo de 2016 estimou que a população está em torno de 22 indivíduos com tendência a crescer. "Considerando as onças da Argentina e da região do Turvo, são cerca de 100 animais, ou seja, um terço de toda a população estimada na Mata Atlântica, isso só mostra a importância desta região para a conservação da onça-pintada", conta a coordenadora executiva do Projeto Onças do Iguaçu, Yara Barros. "O nascimento das três onças, não só é uma grande esperança para a Mata Atlântica, mas também significa que a mãe está muito bem de saúde", explica Yara.
Enquanto são pequenas, elas serão monitoradas via armadilhas fotográficas. A partir de um ano e meio, os filhotes vão receber um colar para monitoramento remoto que vai fornecer informações valiosas sobre os hábitos desses animais. As onças são animais solitários e geralmente machos e fêmeas só se encontram para acasalar. O esturro, a urina e as fezes são elementos utilizados para demarcar território e evitar encontros com machos mais distraídos.

Filhotes nascem totalmente cegos e só começam a abrir os olhos com cerca de duas semanas de vida. Eles mamam até os dois meses e só então começam a comer carne de caça trazida pela mãe, como parece ser o caso dos novos filhotes de Iguaçu. Aos seis meses, eles acompanham a mãe nas caçadas quando já se preparam para começar a vida adulta. Entre um ano e meio a dois eles se separam da mãe e vão em busca de seus próprios territórios.

As fêmeas podem ter suas primeiras ninhadas com cerca de dois a três anos de idade, sendo os machos menos precoces: eles só se tornam sexualmente maduros com três ou quatro anos de idade. O acasalamento pode ocorrer durante todo o ano e a gestação dura entre 93 a 105 dias e até quatro filhotes podem nascer de uma vez, embora o mais comum seja um ou dois bebês.

Como proteger os filhotes
Como os filhotes ainda são muito vulneráveis, é essencial protegê-los. Para isso, o Projeto Onças de Iguaçu vai monitorar as onças e também já atua numa campanha sobre redução da velocidade dentro do Parque Nacional do Iguaçu para evitar atropelamentos. "Não iremos interferir na criação dos filhotes e sim atuar na conscientização das pessoas para evitar riscos", afirma Yara.

Uma das ações que deve auxiliar na mínima interferência humana na vida dos filhotes é o "Guia de Convivência" lançado pelo Projeto no dia 26 de julho. O guia enfatiza que onças e homens podem viver em harmonia.
O Projeto Onças do Iguaçu tem como missão conservar a onça-pintada como espécie-chave para a manutenção da biodiversidade da região do Parque Nacional do Iguaçu. A equipe estuda o deslocamento, comportamento, dieta das onças e monitora os animais por meio de armadilhas fotográficas. Também atua junto à comunidade levando e obtendo importantes informações para a convivência harmoniosa entre pessoas e onças.

http://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/9866-iguacu-re...