Extrativistas do Marajó são capacitados em manejo florestal

Marajó online - http://marajoonline.com.br - 29/09/2012
As reservas extrativistas Terra Grande-Pracuúba, Mapuá, Arióca-Pruanã e Gurupá-Melgaço, todas na Ilha de Marajó, no Pará, estiveram representadas por seus gestores e onze comunitários no curso Tomadores de decisão em manejo florestal e impacto reduzido, que aconteceu no período de 17 a 22 deste mês, no Centro de Manejo Florestal Roberto Bauch, do Instituto Floresta Tropical - IFT, em Paragominas (PA).

O evento também contou com a participação dos parceiros da Medida de Desenvolvimento do Marajó parceria GIZ/CNS e do diretor comercial da Empresa Beraca, do ramo de cosméticos, que está iniciando um trabalho nas UCs Terra Grande-Pracuúba e Mapuá de compra de óleos para essências, num contrato firmado entre a empresa LOreal e a Caritas durante a realização da conferência Rio+20.

O objetivo do curso é sensibilizar os participantes sobre a situação atual e as perspectivas do setor florestal na Amazônia, abordando todas as etapas do manejo florestal sustentável, com atividades demonstrativas, discursivas e avaliativas, tentando trazer para a sua realidade as dificuldades e possibilidades de futuro e buscando visão crítica para tomada de decisão sobre o assunto.

Foram trabalhados diversos temas, entre palestras e muita troca de experiência, com a participação de diversos setores, comunitários, governo, sociedade civil e empresa privada, todos representados, proporcionando debate amplo e significativo aos presentes.

O próximo desafio é a realização de intercâmbio sobre manejo florestal comunitário na Resex Terra Grande-Pracuúba, trazendo agora para dentro da comunidade o debate, com foco no manejo de baixa intensidade, envolvendo as demais unidades do Marajó, pois foram diversas atividades realizadas fora do contexto de várzea. A ideia é iniciar o processo adaptado à realidade local, alcançando número maior de comunitários. É necessário seguir com a sensibilização e capacitação das comunidades, pois o problema comum a todas as UCs do NGI Breves é que os comunitários vivem exclusivamente da retirada ilegal de madeira, sem nenhum estudo ou ordenamento. Tem-se no manejo comunitário de uso múltiplo a saída para regularização das atividades, além de veicular mais informações sobre o tema, buscando maior envolvimento comunitário e debate sobre novas possibilidades de renda além da madeira.

As quatro unidades do Marajó uniram esforços e recursos para buscar soluções a um problema comum. Contamos com a parceria iniciada com o IFT para seguirmos com os estudos sobre a realidade de várzea e as ações de capacitação. Também estamos com diálogo aberto junto ao Serviço Florestal Brasileiro na construção de um processo amplo, mas bem feito, que considere a realidade do Marajó. Além de tudo isso, contamos com a parceria e o incentivo essencial da servidora Graciema Pinage, da Coordenação de Produção e Uso Sustentável - Coprod, que participou ativamente de todo processo e está junto com os analistas nessas atividades com foco no manejo de baixa intensidade, afirmaram as analistas Aline Simões, da Resex Terra Grande-Pracuúba, e Diana de Alencar, da Resex Mapuá.



http://marajoonline.com.br/index.php/extrativistas-marajo-sao-capacitados-em-manejo-florestal/
UC:Reserva Extrativista

Related Protected Areas:

  • UC Mapuá
  • UC Arióca Pruanã
  • UC Terra Grande-Pracuúba
  • UC Gurupá-Melgaço
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.