Assistência técnica chega a mais de 16,7 mil famílias extrativistas do Pará

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br/ - 27/09/2013
Mais de 16 mil famílias extrativistas do arquipélago do Marajó e região Nordeste do Pará vão receber assistência técnica e extensão rural (Ater) como ação do Plano Brasil Sem Miséria. O Incra no Pará, com sede em Belém, assinou na quarta-feira (25) os primeiros contratos e ordens de serviço para prestação de Ater a 16.743 famílias de Projetos Agroextrativistas (PAE) e Reservas Extrativistas (Resex) em situação de vulnerabilidade social. O valor dos contratos é de cerca de R$ 70 milhões.

As três empresas contratadas - Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater-PA), Instituto Peabiru e Ambiente Consultoria - foram selecionadas por meio de Chamada Pública nacional, feita no início de 2013, para atender 26.597 famílias extrativistas nos estados do Pará, Acre e Amazonas. Pelo menos 63% das famílias desse total estão em noventa PAEs criados pelo Incra em dez municípios do Marajó e em três Resex do Nordeste paraense reconhecidas como beneficiárias do Plano Nacional de Reforma Agrária.

Inclusão social e produtiva

O objetivo da ação é promover a inclusão social, econômica e produtiva das famílias que estão abaixo da linha de pobreza, por meio do planejamento, implantação e comercialização da produção familiar e coletiva, garantindo a segurança alimentar e o incremento da renda. O superintendente regional do Incra no Pará, Nazareno Souza, na abertura da cerimônia de assinatura realizada em Belém, destacou a importância da assistência técnica na estruturação das atividades produtivas das famílias beneficiadas.

Aos prefeitos, representantes de órgãos federais e estaduais e lideranças rurais presentes no evento, o gestor regional observou que esta é a primeira vez que o Incra leva assistência técnica para famílias assentadas no Marajó. "Estamos assinando aqui os primeiros contratos de assistência técnica que vão contribuir para planejar e estruturar as atividades produtivas locais e incrementar a renda das famílias extrativistas", disse.

Citando o exemplo do extrativismo do açaí, uma das principais atividades econômicas da região, Nazareno destacou ainda que a assistência técnica, integrada a outras ações dos governos federal, estadual e municipal, poderá contribuir com a produção, a agregação de valor aos produtos, respeitando os conhecimentos tradicionais e necessidades das famílias. A integração das políticas públicas com a assistência técnica, concluiu o superintendente, deverá atuar desde a produção até a comercialização.

Desafios

Para o diretor da Ambiente Consultoria, Antônio Neto, fazer assistência técnica para as famílias extrativistas no Marajó representa um grande desafio pela especificidade socioeconômica e geográfica da região. Mas, o diretor da Ambiente considera que o prazo de vigência do contrato, de 30 meses, "é uma oportunidade ímpar" para a elaboração, execução e avaliação das atividades a serem realizadas junto com as comunidades extrativistas.

A ação dos 183 técnicos das empresas contratadas será levada a 60% do total de famílias beneficiárias das políticas agrárias no Marajó e abrange uma área de 11.628 Km², equivalente a quase 11% do arquipélago, que possui 104.606,9 Km². O Incra está presente em 13 dos 16 municípios do Marajó, com 142 projetos agroextrativistas.

Além dos gestores do Incra, Instituto Peabiru e Ambiente Consultoria, participaram da cerimônia de assinatura dos contratos os prefeitos dos municípios de Breves, Afuá, Muaná e Curralinho; representantes da Associação dos Municípios do Arquipélago do Marajó (Amam), Instituto Chico Mendes (ICMBio), Conselho Nacional dos Seringueiros (CNS); Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA); e associações de famílias extrativistas.



http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/20-geral/4345-assistencia-tecnica-chega-a-mais-16-7-mil-familias-extrativistas-do-para.html
Florestas:Extrativismo

Related Protected Areas:

  • UC Arquipélago do Marajó
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.