Parque no litoral gaúcho monitora animais marinhos

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br/ - 26/01/2016
Lagoa do peixe divulga balanço das ações realizadas ano passado.

O Parque Nacional (Parna) da Lagoa do Peixe, unidade de conservação (UC) administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), no Rio Grande do Sul, entre a Lagoa dos Patos e o Oceano Atlântico, acaba de divulgar os dados de 2015 do monitoramento de animais marinhos no interior e entorno da unidade.

Durante todo o ano, a equipe do parque contabilizou 159 animais marinhos de diversas espécies vivos e mortos numa extensão de aproximadamente 50 quilômetros de praia. Os mortos foram marcados, medidos e identificados, para efeito de estatística e definição de estratégias de políticas de proteção.

Ja os animais encontrados vivos e debilitados foram identificados e recolhidos. Após os primeiros cuidados ainda na UC, foram levados, em seguida, para o Centro de Recuperação dos Animais Marinhos (Cram/FURG), na cidade de Rio Grande (RS). Muitos deles, após recuperação, puderam retornar à vida livre.

Da Barra da Lagoa do Peixe até o limite sul do parque (aproximadamente 17 quilômetros de área costeira), o monitoramento é realizado pelo Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (Nema), por meio do Projeto Mamíferos Marinhos do Litoral Sul. Neste trecho foram encontrados 17 cetáceos mortos, principalmente a toninha (Pontoporia blainvillei), o mamífero aquático mais ameaçado do Atlântico Sul.

. Clique aqui para ver, na íntegra, os números do trabalho do monitoramento e aqui para saber mais sobre o parque.


Grande biodiversidade

O litoral do Rio Grande do Sul possui uma das maiores biodiversidades de fauna marinha e costeira do Atlântico Sul Ocidental, abrigando um grande número de espécies. Dentre os principais grupos, destacam-se as cinco espécies de tartarugas-marinhas, as sete de pinípedes (focas, lobos-marinhos, leões-marinhos e elefantes-marinhos) e as 35 de cetáceos (botos, baleias e golfinhos).

Além desses, há também o grupo das aves, que possui 661 espécies registradas no estado. Dessas, aproximadamente 15% são aves de hábitos marinhos e costeiros, incluindo espécies residentes e migratórias tanto do Hemisfério Sul quanto do Hemisfério Norte. O parque possui atualmente mais de 275 espécies de aves registradas, entre migratórias e residentes.

Toda essa biodiversidade se explica devido ao encontro de duas importantes correntes marinhas (corrente das Malvinas e corrente do Brasil) no litoral gaúcho, que originam uma importante área de alimentação e reprodução de organismos marinhos.


http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/20-geral/7546-parque-no-litoral-gaucho-monitora-animais-marinhos.html
Biodiversidade:Fauna

Related Protected Areas:

  • UC Lagoa do Peixe (PARNA)
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.