Ideflor-bio inicia nova etapa do processo de criação do Conselho Gestor na APA Marajó

Agência Pará de Notícias - http://www.agenciapara.com.br/ - 29/03/2016


A Gerência da Região Administrativa Marajó, ligada ao Instituto de Desenvolvimento Florestal da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), dá continuidade nesta semana ao processo de composição e formação do Conselho Gestor da Unidade de Conservação (UC) nos doze municípios pertencentes à Área de Proteção Ambiental (APA) Arquipélago do Marajó. A primeira etapa, que foi efetivada em novembro do ano passado, mobilizou os municípios com a apresentação da equipe e permitiu a aproximação com as associações e entidades governamentais de cada município para o início dos trabalhos de criação do Conselho Gestor.

Nesta semana, de 28 a 31 de março, a equipe estará presente nos municípios de Curralinho, Breves e Anajás, onde serão realizadas reuniões preliminares de apresentação. A equipe do Ideflor-Bio já esteve em Salvaterra, Soure, Cachoeira do Arari e Santa Cruz do Arari, nos dias 07, 08, 09, 10 e 11 deste mês, e a partir de abril promoverá reuniões nos municípios de Ponta de Pedra, Muaná, São Sebastião da Boa Vista, Afuá e Chaves, que compõem a Unidade de Conservação do Marajó.

De acordo com a gerente da Região Administrativa do Marajó do Ideflor-Bio, Maria Bentes, com a criação de um conselho gestor é possível proteger a diversidade biológica das Unidades de Conservação, além de desenvolver e melhorar a qualidade de vida da população marajoara. "O Arquipélago do Marajó apresenta diversos atrativos turísticos e grande diversidade de espécies da fauna, contendo elevada importância histórica, cultural e científica. Com a criação do conselho gestor, é possível organizar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais", disse.

Com a criação do Conselho Gestor também amplia-se o diálogo e a confiança entre o órgão gestor, comunidade local, órgãos públicos e instituições da sociedade civil na medida em que os conselheiros têm acesso a informações e compreendem as limitações e os desafios para gestão das UCs; aumenta-se a governança e o apoio político da Unidade de Conservação junto às comunidades locais, setor privado, ONGs e instituições de pesquisa, entre outros atores; amplia-se o conhecimento sobre a região e sobre o contexto político-institucional em que estão inseridas as UCs por meio da contribuição técnica dos conselheiros, e amplia-se o orçamento destinado às Unidades, pois entidades que integram o conselho podem atrair recursos de doações para projetos de fortalecimento da gestão, elaboração e implantação dos Planos de Manejo.

APA Marajó - A Área de Proteção Ambiental do Arquipélago do Marajó é uma Unidade de Uso Sustentável, criada a partir do Art. 13, § 2o, da Constituição do Estado do Pará de 1989. É considerada a maior Unidade de Conservação na costa norte do Brasil, com 5.532.517,70 hectares. É banhada pelas águas salgadas do Oceano Atlântico ao norte e pelas águas fluviais da foz do Rio Pará e Tocantins ao sul, formando o maior complexo fluviomarinho do mundo.

A APA Marajó abrange os municípios de Afuá, Anajás, Breves, Cachoeira do Arari, Chaves, Curralinho, Muaná, Ponta de Pedras, Salvaterra, Santa Cruz do Arari, São Sebastião da Boa Vista e Soure.

No interior do arquipélago estão inseridas três Unidades de Conservação de uso sustentável: a Reserva Extrativista Mapuá, no município de Breves; a Reserva Extrativista Marinha de Soure, no município de Soure; a Reserva Extrativista Terra Grande-Pracuúba, nos municípios de Curralinho e São Sebastião da Boa Vista, além de uma unidade de proteção integral, o Parque Estadual Charapucu, em Afuá.

Conselho Gestor - Toda Unidade de Conservação deve ter um conselho gestor, cuja função é auxiliar o chefe de cada UC na sua gestão e integrá-la à população e às ações realizadas em seu entorno. O Conselho deve ter a representação de órgãos públicos - tanto da área ambiental como de áreas afins (pesquisa científica, educação, defesa nacional, cultura, turismo, paisagem, arquitetura, arqueologia e povos indígenas e assentamentos agrícolas) -, da sociedade civil (população residente e do entorno, população tradicional, povos indígenas, trabalhadores e setor privado atuantes na região), comunidade científica e organizações não-governamentais com atuação comprovada na região.


http://www.agenciapara.com.br/noticia.asp?id_ver=123031
Política Socioambiental

Related Protected Areas:

  • UC Arquipélago do Marajó
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.