Destinos de natureza seduzem os viajantes e impulsionam MPEs

Valor Econômico, Especial, p. F6 - 31/01/2018
Destinos de natureza seduzem os viajantes e impulsionam MPEs

A maior atração dos turistas por destinos de natureza contribui para movimentar uma massa de pequenas empresas estabelecidas em torno das diferentes atividades do setor. Segundo o buscador global de viagens Skyscanner, dos 12 destinos com maior crescimento em 2018, oito possuem belezas naturais e três são brasileiros - Foz do Iguaçu (PR), Lençóis (BA), na Chapada Diamantina, e Parnaíba (PI).

Dados do Ministério de Turismo mostram que 95% dos 41,3 mil prestadores de serviços cadastrados até 2015 eram micro ou pequenas empresas, ou microempreendedores individuais (MEIs). No segmento de natureza, o número tende a ser maior, avalia Luiz Del Vigna, diretor da Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta). "No anopassado a atividade cresceu 12%", estima.

O setor avançou com medidas como a criação de normas técnicas, três delas adotadas pela ISO 21.103, e o surgimento de polos de referência como Bonito (MS), mas enfrenta insegurança, custos elevados e infraestrutura deficitária e de comunicação, principalmente para estrangeiros. Levantamento da Embratur indica o lazer como motivação de 56,8% dos 6,5 milhões de turistas chegados ao país em 2016, dos quais 68,8% interessados em sol e praia e 16,6%, em natureza, ecoturismo ou aventura. O Brasil ocupa o primeiro lugar no quesito potencial natural e o oitavo em riqueza cultural no ranking elaborado pelo Fórum Econômico Mundial com cerca de 150 países. "Se é o primeiro deveria tirar partido dessa posição", defende o presidente da Embratur, Vinícius Lummertz.

Na plataforma Airbnb, o número de hóspedes nas áreas rurais do país aumentou 240% entre 2015 e 2016. O crescimento de 11,5% na visitação dos 72 parques nacionais no ano passado confirma a tendência. Em 2015, os mais de 8 milhões de visitantes geraram R$ 1,1 bilhão nos municípios de acesso, de acordo com o ICMBio. Atualmente, quatro operam sob concessão e três estão em processo de licitação - Brasília (DF), Chapada dos Veadeiros (GO) e Pau Brasil (BA).

O grupo Cataratas, responsável pelas operações de Foz do Iguaçu e Fernando de Noronha (PE), registrou recordes em 2017 com 1,8 milhão e 90 mil visitantes, respectivamente. O grupo também responde no Rio de Janeiro (RJ) pelos parques da Tijuca, AquaRio e RioZoo. "Em Iguaçu, 500 pequenas empresas giram em torno da concessão", observa o presidente do grupo, Bruno Marques. Só em compras diretas são R$ 40 milhões anuais, de insumos para o restaurante a camisetas.

A melhoria dos serviços estimula a cadeia de valor. Hoje, das 2,4 mil associadas à Associação Brasileira das Agências de Viagem (Abav Nacional), cerca de 60% se incluem na categoria de micro e pequenas empresas. "17% trabalham com ecoturismo e 15%, com turismo de aventura", registra o presidente Carlos Palmeira.

A Ambiental é uma delas. Fundada há 30 anos, tem 28 funcionários, fatura R$ 20 milhões ao ano com destinos que vão do Pantanal ao Nepal e cresce em torno de 6% ao ano. Segundo o diretor Glen Ganper, as viagens não são baratas, já que mesclam natureza e conforto para atender turistas maduros de classe AB, principalmente mulheres - os homens se aventuram mais por conta própria.

A TV também estimula o segmento. Em 2016, a operadora Roraima Adventures chegou a levar 61 grupos para o Monte Roraima, paisagem de "Império" (2014). O passeio custa a partir de R$ 2,5 mil e reúne em média 15 turistas e 20 profissionais de campo. Este ano, a meta é alcançar 30 grupos, diz o proprietário Joaquim Magno de Souza, que criou um roteiro inédito no extremo sul do país, na região do Chuí.

O casal aposentado Fábio (61 anos) e Marta Moreira (56 anos), de Jaboatão dos Guararapes (PE), participou de uma das 58 expedições da operadora ao Roraima no ano passado. Eles já percorreram a trilha inca no Peru, o caminho de Santiago e o Vale do Pati na Chapada Diamantina, mas tiveram de voltar do monte de helicóptero por um problema de saúde, conta Fábio. Para contrabalançar o esforço, os passeios são seguidos de estadias em resorts.

Valor Econômico, 31/01/2018, Especial, p. F6

http://www.valor.com.br/empresas/5294047/destinos-de-natureza-seduzem-os-viajantes-e-impulsionam-mpes
Turismo Ambiental

Related Protected Areas:

  • UC Monte Roraima
  • UC Iguaçu
  • UC Marinho de Fernando de Noronha
  • UC Tijuca
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.