As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

G1 - http://g1.globo.com/
07/06/2017
Decreto cria Floresta Publica com mais de 155 mil hectares no Acre

Floresta Estadual do Afluente do Complexo do Seringal Jurupari é dividada entre as cidades de Feijó e Manoel Urbano. Decreto foi publicado nesta terça (6), no DOE.

O governador do Acre, Tião Viana (PT-AC), decretou a criação de uma Floresta Pública que fica entre os municípios de Manoel Urbano e Feijó, interior do Acre. A Unidade de Conservação Provisória - Floresta Estadual do Afluente do Complexo do Seringal Jurupari possui mais de 155 mil hectares e foi doada ao Acre pelo Governo Federal em 2014.

O decreto de no 6.808 foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) nesta terça-feira (6). O secretário de Meio Ambiente do Acre, Carlos Edegard de Deus, explicou que a Sema e o Instituto de Terras do Acre (Iteracre) iniciaram o processo de regularização fundiária da região.

A Floresta Estadual do Afluente do Complexo do Seringal Jurupari é dividida em duas partes. A primeira possui 86.582 hectares no município de Feijó. A outra parte tem 68.537 hectares na cidade de Manoel Urbano.

O secretário diz que os órgãos também fazem um estudo socioeconômico da unidade para que haja exploração sustentável e realização de manejo pelas famílias que moram na floresta. Após os estudos, a expectativa é que até 2018 a Unidade de Conservação se torne permanente.

"O Acre está consolidando o seu desenvolvimento sustentável. A implantação de uma unidade de conservação como essa, que é de uso sustentável, traz a possibilidade de uma economia mais dinâmica. A unidade vai possibilitar um forte manejo florestal e a possibilidade de extração de produtos madeireiros e não madeireiros, além de ativar a economia na região", afirma.

A publicação no DOE diz ainda que a unidade foi criada para a defesa do solo e demais recursos naturais do meio ambiente. As unidades de conservação provisórias devem ser protegidas de maneira integral por até cinco anos. O prazo pode ser renovado por mais cinco anos uma única vez para que sejam realizados estudos científicos.

http://g1.globo.com/ac/acre/noticia/decreto-cria-floresta-publica-com-ma...