As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Diario Catarinense - http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/
20/12/2013
Governo de SC deve enfrentar resistencia para obra de acesso ao novo terminal

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) ainda não foi informado da decisão do governador do Estado, Raimundo Colombo, de retomar o projeto com o traçado original na obra de acesso ao novo terminal de passageiros do Aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis. Daniel Cohenca, chefe da Reserva Extrativista Marinha do Pirajubaé, que seria contornada pela rodovia, informou ontem que será preciso uma avaliação técnica dos estudos e do projeto a ser proposto antes de emitir qualquer autorização para a obra.

A mudança, segundo disse na quarta-feira o presidente do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), Paulo Meller, foi motivada pelo alto valor a ser pago nas indenizações para desapropriar 200 lotes que estariam no caminho do traçado anterior _ superior a R$ 30 milhões. A decisão não agradou o representante da ICMBio.

- O traçado foi objeto de diversas discussões em 2008, com o objetivo de propor uma alternativa para proteger a área de preservação permanente. Esta área ficaria delimitada pelo acesso já licenciado (que o governo pretende abandonar) e formaria uma barreira natural entre o que já foi urbanizado o que ainda está preservado ou passível de recuperação - argumentou Cohenca.

Também na quarta-feira, o secretário de Planejamento e ex-presidente da Fatma, Murilo Flores, defendeu que o traçado original, que passa mais próximo aos limites da reserva, seria benéfico do ponto de vista ambiental. De acordo com o representante do governo, a estrada inibiria o crescimento de lotes irregulares no local.

Em defesa do traçado que passa pelo loteamento, Daniel afirma que o manguezal depende da mistura das águas salinas que vem do mar e das águas doces e a estrada no traçado original formaria uma barreira entre esses habitats, prejudicando a flora e fauna local.

- As soluções que parecem fáceis hoje, trarão enormes prejuízos futuros. Prejuízos ambientais, sociais e ao patrimônio público - defendeu o chefe da reserva.

http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/economia/noticia/2013/12/gove...