As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Isto E, Brasil, p.38
01/02/2006
Pirarucu a la carte

Pirarucu à la carte
Parceria do governo do Amazonas com o Pão de Açúcar leva o peixe nobre à mesa dos brasileiros
A Páscoa de 2006 ainda está distante, mas já começa a aparecer nas prateleiras dos supermercados um forte concorrente ao tradicional bacalhau. Peixe nobre dos rios da Amazônia, o pirarucu é a novidade em 170 lojas da rede Pão de Açúcar em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Distrito Federal, Goiânia, Bahia e Paraná. O governo do Estado do Amazonas e o grupo de Abílio Diniz assinaram um acordo na segunda-feira 23, em São Paulo, para comercializar três tipos de corte – filé, lombo e cubo –, desenvolvidos pela equipe de aves, carnes e peixes da rede de supermercados. Filés e lombo saem por R$ 19 o quilo. Os cubos, vendidos a R$ 15, são indicados para ensopados e churrascos. Todos levarão o selo Caras do Brasil, criado pela empresa em 2002 para reunir produtos de manejo sustentável.
Os pirarucus sairão da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Mamirauá, conjunto de comunidades localizado no centro do Estado. A pesca manejada na região começou em 1998 e conseguiu não só reverter a ameaça de extinção como deu viabilidade comercial à espécie. Apenas 30% dos pirarucus adultos podem ser pescados, e somente entre os meses de julho e novembro. O pirarucu pode ser apenas o primeiro de uma série de produtos provenientes da Amazônia a atingir outros mercados do País. “Estamos formando um arranjo produtivo para nossos produtos, que, além dos peixes, incluem frutas, artesanato e óleos vegetais”, disse o governador Eduardo Braga. O primeiro lote é de 25 toneladas, pouco perto das dez mil toneladas de peixes vendidas anualmente pelo Pão de Açúcar.
Isto É, 01/02/2006, p. 38