Parque Estadual em Londrina preserva mais de 690 hectares de mata nativa

Instituto Ambiental do Paraná - http://www.iap.pr.gov.br - 14/05/2015
Nos anos 1970, com uma espingarda ao colo e olhos fincados no verde que rodeava sua casa, o fazendeiro e ex-vereador Álvaro Godoy garantia ao jornalista interlocutor: "Virgem. E enquanto eu viver, ninguém toca nela." Assim permanece a mata que os circundavam, no Distrito Espírito Santo, em Londrina, que há 26 anos transformou-se no Parque Estadual Mata dos Godoy. São mais de 690 hectares, o equivalente a 690 campos de futebol, preservados como um dos últimos remanescentes de Floresta Subtropical (Floresta Estacional Semidecidual), que anteriormente cobria grande parte do Paraná e estendia-se até o Paraguai e Argentina.

Atualmente, este remanescente, que se tornou desde 1989 uma Unidade de Conservação de Proteção Integral, onde vivem 187 espécies de aves silvestres e 65 mamíferos, tem 10% de sua área transformada em espaço de lazer e abertos à visitação pública. A proximidade com a sede do município, da qual dista 18 quilômetros, e igualmente por áreas ocupadas pela agricultura e pecuária, acaba sendo uma ameaça à mata conservada pelos irmãos Godoy, Álvaro e Olavo, pioneiros na colonização de Londrina, se não houver os devidos cuidados.

"O valor ambiental é o grande marco deste resquício de mata que possui o Norte do Paraná, com uma vasta riqueza que precisa ser cuidada, protegida para não se transformar em uma ilha verde sem conectividade", comenta a gerente do Parque, Leliana Aparecida Casagrande Luiz.

A família Godoy sempre teve a preocupação em preservar o local, uma parte da Fazenda Santa Helena, para visitas, especialmente das gerações futuras, especialmente estudantes e pesquisadores. A preocupação é a mesma do Instituto Ambiental do Paraná, que o mantém não só como um parque de lazer em contato com a natureza, mas com um local de preservação da biodiversidade, rico em espécies de fauna e flora. Vivem nesta mata catetos, onças-pardas, tamanduás, tatus, macacos-prego, cotias, lontras, quatis, antas, veados, capivaras, gatos-mourisco, jacus, papagaios, tucanos e anambés. A mata tem perobas, figueiras, cedros, lianas e bromélias, em meio à sua diversificada vegetação.

O Parque recebe, em média, a visita de 500 pessoas por mês. "Nesses 25 anos, desde quando a mata foi transformada em Parque Estadual, muitas coisas aconteceram em defesa do local, redundando em maior proteção. Entre eles, recuperação de área degradada, pesquisas, trabalhos de educação ambiental e as próprias visitas orientadas. Muitas pesquisas são desenvolvidas por pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina, com monografias, mestrados e doutorados", lembra Leliana. A infraestrutura do Parque oferece alojamento para pesquisadores e um centro específico para visitantes.

Em parceria com as secretarias de Estado da Educação e do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, a Unidade de Conservação desenvolve o Programa Parque Escola desde 2012. O objetivo é promover aulas de educação ambiental ao ar livre, nas quais alunos possam ter contato direto com a natureza e entender de maneira efetiva a necessidade de preservação do meio ambiente.

O programa também recebe apoio e participação de empresas privadas. "Com a Cooperativa Integrada e a Unimed se promove várias atividades com alunos de escolas rurais, finalizadas com peças teatrais alusivas à fauna e história do Parque. No fim do ano, é realizado um concurso de desenho. O classificado em primeiro lugar recebe uma bicicleta", diz Leliana. Outros eventos com o objetivo de chamar atenção da comunidade para a importância de conservação da área são realizados constantemente.

TRILHAS

Três trilhas abertas à visitação estão entre os atrativos do Parque.
Projeto Madeira: percurso de 540 metros. A trilha tem início atrás do centro de visitantes, percorrendo por uma área de reflorestamento de espécies nativas, denominada Projeto Madeira, e terminando na área de descanso (choupana).
Interpretativa ou das Perobas e Figueiras: Essa trilha, com cerca de 700 metros e na qual é possível observar a exuberância da mata, tem início logo após o termino da Trilha do Projeto Madeira. Durante o percurso, há um trecho circular que passa por uma área de mato fechado. Seus maiores atrativos são as perobas e figueiras brancas que apresentam exemplares de grande porte.
Dos Catetos: Com início no término da Trilha do Projeto Madeira, essa trilha é realizada por um caminho largo e retilíneo que adentra a mata fechada e termina no limite Noroeste do Parque.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em: http:///www.facebook.com/governopr e www.pr.gov.br

SERVIÇO:

MATA DOS GODOY
Localização: acesso a 18 quilômetros do município de Londrina, pela rodovia PR-538
Horário de funcionamento: de terça-feira a sexta-feira, das 8h30 às 17h30, e aos domingos e feriados, das 13h30 às 17h
Visitas podem ser agendadas pelo telefone (43) 3373-8700



http://www.iap.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=707&tit=Parque-Estadual-em-Londrina-preserva-mais-de-690-hectares-de-mata-nativa
UC:Parque

Unidades de Conservação relacionadas

  • UC Mata dos Godoy
  •  

    As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.