Desmatamentos já atingiram 144 mil hectares nas unidades de conservação da RMM

A Crítica (AM) - http://acritica.uol.com.br/amazonia - 25/11/2011
A falta de instrumentos legais de gestão nas unidades de conservação ambiental - como planos de manejo e conselhos gestores - e a fiscalização deficiente dos órgãos ambientais municipais e estaduais promovem o aumento do desmatamento nas unidades de uso sustentável que ficam na Região Metropolitana de Manaus (RMM), que já perderam mais de 144 mil hectares de área preservada.

É o que aponta a pesquisa "Desafios Frente à degradação ambiental das Unidades de Conservação na RMM e as ameaças à conservação", da Fundação Vitória Amazônica, que lista as unidades de uso sustentável - Áreas de Proteção Ambiental (APAs) e Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) - do município e do Estado como as mais desmatadas, principalmente aquelas que ficam no entorno da capital. O estudo se baseia nos dados de desmatamento do PRODES 2009, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

De acordo com um dos coordenadores da pesquisa, o engenheiro florestal Marcelo Moreira,o Parque Estadual Sumaúma, localizado no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus, é a única unidade de conservação entre as sete mais desmatadas que não se engloba na categoria de uso sustentável.

E é, também, a unidade com a maior área desmatada, considerando as devidas proporções: pelo menos 60% de seu território, de 51 hectares, já teve a mata primária derrubada, estima Moreira.

"Quanto mais perto dos centros urbanos, maior o desmatamento. O parque Sumaúma é uma vítima dessa urbanização, pois o fato de estar no meio da cidade influenciou diretamente para o desmatamento de mais da metade da sua área. Além da falta de fiscalização, ainda sofre com a invasão dos moradores que têm propriedades no seu entorno", analisou.

Gestão

A única unidade de conservação municipal da RMM - a RDS do Tupé - aparece como a segunda mais desmatada, com a perda de 24,8% de sua mata primária até o ano de 2009. Lá, 2,9 mil dos 11,9 mil hectares já foram devastados, aponta a pesquisa.

A ausência de planos de gestão e planos de manejo é apontada por Moreira como o principal obstáculo para conter o avanço do desmatamento na RDS do Tupé. "Sem falar na fiscalização ineficiente, que permite a ocupação desordenada por comerciantes e moradores e na grande movimentação turística aos finais de semana, que também exerce impacto."

APA

Em seguida, aparecem três APAs na lista das unidades mais desmatadas: a APA da Margem Esquerda do Rio Negro Setor Tarumã-Açu/Tarumã-Mirim, com 17,8% da área desmatada, a APA da Margem Direita do Rio Negro Setor Paduari/Solimões (14,1%) e a APA da Caverna do Maroaga, em Presidente Figueiredo (7,9%).

Para Moreira, a proximidade da APA Tarumã Açu/Mirim da BR-174, o grande número de ramais e um assentamento rural do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) colaboram para os índices elevados de desmatamento, que já atingiram 9,9 mil hectares.

Já na APA Paduari/Solimões, que já teve mais de 64 mil hectares desmatados, é a proximidade com a rodovia AM-070 que agrava o problema, segundo o pesquisador. De acordo com ele, ao longo de todas as rodovias o desmatamento cresce. "Na AM-070, a situação mais preocupante fica no entorno dos municípios de Iranduba e Manacapuru, por conta da expansão urbana e do pólo ceramista. E, com a inauguração da ponte sobre o Rio Negro, esse desmatamento pode chegar à AM-352", alertou.

A APA Caverna do Maroaga, a única com plano de gestão, também é cortada pela BR-174 e apresenta percentual preocupante de desmatamento, afirma Moreira. Até 2009, mais de 29 mil hectares já tinham sido desmatados por conta de atividades de turismo e mineração e por assentamentos rurais dentro da unidade.

A APA que apresenta o menor índice de desmatamento é a da Margem Esquerda do Rio Negro Setor Aturiá/Apuazinho, que até 2009 tinha perdido cerca de 12 mil hectares de floresta, equivalente a 2,2% do território total. Ela aparece logo após a RDS do rio Negro na lista das mais desmatadas. A RDS do rio Negro teve 5,6 % da área desmatada.

Ranking

O Parque Estadual do rio Negro - setores Sul e Norte - os parques nacionais de Anavilhanas e do Jaú, a RDS do Amanã e a Reserva Extrativista (Resex) do rio Unini aparecem na lista como as seis unidades de conservação menos devastadas da RMM, com a área desmatada entre 1,3% e 0,1% dos territórios totais.




http://acritica.uol.com.br/amazonia/Manaus-Amazonas-Meio_ambiente-RMM-pesquisa-Desmatamentos-atingiram-hectares-conservacao-RMM_0_597540592.html

Amazônia:Desmatamento

Related Protected Areas:

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.