As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

CB, Brasil, p. 10
23/06/2006
Bufalos sem controle

Búfalos sem controle

Animais levados da Ilha de Marajó (PA) para povoar reserva em Rondônia se transformaram em problema ecológico. Eles destróem a floresta e ameaçam pesquisadores que tentam conter reprodução em massa

Ullisses Campbell
Da equipe do Correio

Uma manada de cerca de 4 mil búfalos selvagens está espalhando medo no Vale do Guaporé, uma reserva ambiental na fronteira do Brasil com a Bolívia, no estado de Rondônia. Divididos em grupos de 30 a 100 cabeças, os animais nunca tiveram contato com o homem e agora estão se reproduzindo em massa, destruindo uma reserva ambiental de 600 mil hectares protegida por lei.

Há dois anos, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) desenvolve um projeto no Vale do Guaporé para tentar resolver o problema. Uma equipe de pesquisadores fez um levantamento da quantidade de animais que estão soltos na floresta, mas não conseguiu capturar nenhum deles para estudo, como previa o projeto. "Os animais são tão selvagens que atacam até os helicópteros que tentam pousar na floresta", diz Francisco Leônidas, biólogo da Embrapa em Rondônia.

Os búfalos selvagens de Rondônia são nativos da Ásia e foram introduzidos inicialmente na Ilha de Marajó (PA), que detém 80% da população desses animais. No Pará e no resto do país, no entanto, os búfalos são domesticados, bastante úteis e convivem pacificamente com o homem. Em Rondônia, eles são tão selvagens que atacam até a onça, o predador mais temido da selva. "Como são considerados animais invasores na floresta, eles não têm predadores naturais", explica o biólogo Salvatore Rossy, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Assim como no Pará, os búfalos do Vale do Guaporé foram levados para lá pelas mãos do homem. Na década de 50, o governo de Rondônia teve a idéia de transportar 30 cabeças da Ilha do Marajó para a fazenda Pau D'Óleo. A idéia era que o rebanho produzisse leite, carne e ajudasse a desenvolver comunidades carentes da região. O projeto não deu certo e os 30 búfalos foram soltos na floresta, em 1953. Todos, até então, eram dóceis.

O bando solitário seguiu para o Vale do Guaporé, uma região pantanosa. No alagado, eles encontraram as condições ideais para reprodução. Hoje, 53 anos depois da soltura, os búfalos transformaram-se num problema ecológico. Aquela geração dócil não existe mais. A nova geração é selvagem, embrutecida e violenta. E mais: eles nunca viram um homem pela frente. Quando o vê, a manada se junta em grupo de 30 e ataca. "Têm animais com chifres de dois metros de cumprimento", ressalta Leônidas, que já liderou uma equipe que tentou laçar búfalos selvagens em Rondônia.

Atualmente, Rondônia tem a única manada de búfalos selvagens do Brasil. Como andam em bando e como não são típicos da região, eles estão causando um desastre ecológico sem precedentes na reserva ecológica. Por onde caminham, os animas pisam pelo pântano e acabam drenando o solo, destruindo diversos ecossistemas. Em algumas regiões, eles estão drenando cabeceiras de rios e alterando o curso d'água, além de destruírem igarapés. "Esses animais têm que ser capturados o mais rápido possível, caso contrário estaremos diante de um problema ecológico tão grave que é impossível até fazer prognósticos", prevê Leônidas.

Para se ter uma noção da selvageria desses búfalos, uma manada de 20 deles estava sendo observada por aviões por uma equipe de pesquisadores. A manada entrou numa fazenda abandonada e se deparou com a sucata de um trator abandonado. Ao ver a máquina, um dos animais se assustou e correu para chifrar o veículo. "Eles nunca haviam visto um trator. Na imaginação deles, aquilo era uma ameaça. Ao correr contra a máquina, o animal bateu com a cabeça na lâmina e morreu na hora", relata Leônidas.

Robustos, os búfalos do Guaporé não morrem com tiros de espingardas. Segundo especialistas, eles só podem ser abatidos com tiros de fuzil, já que a maioria deles, aparentemente, pesa mais de uma tonelada. "Nossa maior preocupação é que eles cheguem até as seis aldeais indígenas do Vale", ressalta o agente da Fundação Nacional do Índio (Funai) de Rondônia, Marco Antônio Messias.

Uma equipe de pesquisadores franceses já tentou laçar um dos búfalos selvagens do Vale do Guaporé para pesquisa. A manada tinha penas 28 animais e parte deles eram filhotes. "O problema é que, enquanto um deles é laçado, a manada, a princípio, foge. Mas pelo menos cinco deles voltam na mesma pisada para enfrentar o laçador e salvar o companheiro", conta Leônidas. Como eles impõem medo, a saída é soltar o animal.

Migração
Uma outra pesquisa feita com os búfalos selvagens do Vale do Guaporé aponta que os animais estão migrando lentamente para outras regiões da Amazônia, inclusive para o lado boliviano da selva. "O maior problema desses animais é a superpopulação aliada à selvageria. As fêmeas ficam muito mais ferozes por conta da cria. Elas têm que deixar as onças bem longe dos filhotes. Já os machos ficam ainda mais bravos porque disputam as fêmeas em lutas. Os machos derrotados saem do bando e ficam ainda mais revoltados", descreve Leônidas num relatório sobre a pesquisa feita com os búfalos no Vale do Guaporé.

O estudo da Embrapa de Rondônia concluiu que a solução do problema é a captura dos animais para domesticá-los ou o abatimento. Mas a equipe não dá conta de apanhar nem os búfalos mais novos. No caso do abatimento, uma das possibilidades seria alimentação. Mas como são animais 100% selvagens, a carne torna-se imprópria para consumo, já que nunca foram vacinados para prevenção de febre aftosa, tuberculose e brucelose. Além do mais, algumas organizações não-governamentais são contra o sacrifício dos búfalos selvagens. "Enquanto isso, eles estão correndo feito loucos na mata", avisa o biólogo Salvatore Rossy.

O NÚMERO
4 mil búfalos selvagens estão espalhados no Vale do Guaporé (RO)

No Pará, eles são dóceis

Na Ilha do Marajó (PA), a presença dos búfalos é fundamental. São eles quem sustentam a economia da ilha, do fornecimento de leite à atração turística. No arquipélago, são mais de 600 mil cabeças. Todas domesticadas. "Aqui, todo búfalo tem dono", diz o biólogo José Lourenço, da Embrapa.

Quando domesticado, o búfalo torna-se um animal produtivo. Seu leite e sua carne têm menos gordura do que a carne de boi e o queijo feito a partir do leite dele é nutritivo e saboroso. "Eles são tão mansos que têm o hábito de pôr a cabeça na janela para olhar dentro da casa dos pescadores", relata Lourenço.

Segundo o pesquisador, que é uma das maiores autoridades em bubalinos do país, o extermínio dos búfalos do Vale do Guaporé é a solução não é a solução mais inteligente. "Sugiro que sejam seqüestrados alguns animais e repassados para os produtores de pequena renda. Um búfalo para um trabalhador rural pobre é uma fonte de renda. "

"Quem fala que amansar um animal desse é a solução precisa ver um deles de perto. A verdade é que os búfalos do Guaporé ficaram violentos com o tempo. De longe, em vez de fugirem, eles vêm nos encontrar para saber o que é", diz o fazendeiro Roberto Conde de Lino, de Rondônia. Ele chegou a ter búfalos, mas abateu todos com receio da fúria do animal. (UC)

CB, 23/06/2006, Brasil, p. 10