As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Cimi Guajara - Mirim. CPT-RO
23/08/2007
Indigena e multado por cacar e pescar em area indigena em Rondonia

Agentes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e do Instituto Chico Mendes multaram o indígena miquelém
Getúlio Freitas e seu filho, moradores de Porto Murtinho, no município de São Francisco do Guaporé, Rondônia. No dia
25 de agosto eles estavam pescando e caçando no Rio São Miguel, afluente do Rio Guaporé onde eles moram, dentro
da zona tradicional de caça e pesca dos moradores da região. Eles e mais dois vizinhos são acusados de pesca
clandestina de 40 kg. de peixe e de ter matado uma capivara. Os agentes apreenderam uma canoa, um motor, uma
espingarda e outros materiais de pesca. Os indígenas receberam multa de 10 mil reais.

Os indígenas miquelenos estão revoltados contra o Ibama por este fato e outros. Eles foram expulsos da área do
Limoeiro e de suas terras tradicionais para criação da Reserva Biológica do Guaporé, sendo impedidos de realizar as
atividades tradicionais de caça e pesca de subsistência no Rio São Miguel, bem como de levar o gado para pastar nos
campos naturais do outro lado do rio.

Este povo indígena e os seus vizinhos puruborá, no Rio Manoel Correia, reivindicam a criação dos seus próprios territórios
indígenas. Em 2007, a Fundação Nacional do Índio criou o Grupo de Trabalho oficial que estuda os direitos constitucionaisdestes povos. A Reserva Biológica do Guaporé foi criada em 1982 sem considerar os seus moradores tradicionais. Ela é contestada pelos indígenas miquelenos, pelos indígenas tupari da aldeia do Palhal, no Rio Branco e pela comunidadequilombola de Santo Antônio do Guaporé.