As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

ICMBio - www.icmbio.gov.br
14/10/2008
Incendios florestais atingem parques na Bahia e em Minas e Flona em Rondonia

Três unidades de conservação federais - os parques nacionais Grande Sertão Veredas, em Minas, e Chapada Dimantina, na Bahia, e a Floresta Nacional de Rondônia - estão sob alerta vermelho em função de focos de incêndio. Equipes das unidades, com o apoio do Prevfogo e da polícia ambiental dos estados - tentam conter as chamas.

No Parque Nacional Grande Sertão Veredas, na divisa dos estados de Minas Gerais e Bahia, o fogo começou no final de semana. A situação é crítica na porção da unidade que fica no município de Formoso (MG). Segundo o atual chefe do Parque, Emerc Lima Cipriano, o combate começou no sábado, com oito brigadistas. A equipe recebeu reforço de mais oito pessoas no domingo para combater as chamas, mas como o terreno é extremamente acidentado, o trabalho foi dificultado.

Até o início da manhã desta terça-feira, o incêndio ainda não havia sido controlado. "Detectamos dois grandes focos muito próximos um do outro em Formoso. No local existem fazendas ocupadas por pessoas que ainda não foram indenizadas e que continuam explorando as terras do Parque. Como é uma área de difícil acesso, já pedimos reforços ao Prevfogo. Solicitamos também viaturas da Estação Ecológica Pirapitinga, que fica no município de Três Marias. Estamos depositando nossas esperanças nessa ajuda", relatou Cipriano.

No decorrer do dia, mais oito brigadistas se uniram a equipe que luta para conter as labaredas. "Logo que controlarmos a situação, vamos investigar a causa do incêndio. Ao que tudo indica, foi uma ação criminosa. Em 2007, enfrentamos o fogo nesse mesmo local", revela o responsável pelo Parna. O incêndio já consumiu mil hectares de cerrado no interior da unidade de conservação e pelo menos 500 fora dela.

Foi confirmado também focos de incêndio na porção baiana do Grandes Sertões Veredas, no município de Cocos. Segundo funcionários do Parque, nesta área o fogo começou nas proximidades do Assentamento São Francisco. "Com a chegada de mais brigadistas, gostaríamos de enviar uma equipe para trabalhar nessa área também. O incêndio é de grandes proporções e a unidade não conta com veículos nem combustível para fazer o deslocamento da brigada", lamenta Cipriano. "Mas, o Rodofogo, caminhão Prevfogo que nos auxilia nesse tipo de situação, irá diretamente para o lado baiano do Grandes Sertões Veredas", informa.

O Parque Nacional Grande Sertões Veredas é a segunda maior unidade de conservação do bioma cerrado no Brasil, com uma área de quase 232 mil hectares. Ele preserva um ecossistema presente em regiões secas e é rico em espécies medicinais de grande valor, além de ter potencial para promover a educação ambiental e a pesquisa.

BOM FUTURO - a Floresta Nacional (Flona) de Bom Futuro, em Rondônia, também está em alerta vermelho. Desde setembro, vários focos de calor foram detectados pelos satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O chefe da unidade, Paulo Volnei Garcia, explica que a Flona tem problemas seríssimos de invasões e conflitos fundiários. Dos 280 mil hectares de floresta, pelo menos 70 mil foram desmatados e queimados para dar lugar a pastagens. "A maioria dos incêndios é proposital. São resultados de queimadas provocadas por invasores. Estamos organizando ações de desocupação da Flona para termos chance de agir quando o fogo ameaça a unidade", revela Garcia.

No entanto, de acordo com o próprio chefe, as medidas serão efetivadas somente após a assinatura de um acordo entre o Ministério do Meio Ambiente, o governo do estado de Rondônia e o Ministério de Desenvolvimento Agrário. "Dependemos desse documento para viabilizar o monitoramento e tentar salvar a floresta. O Exército irá ajudar no processo de desocupação, pois os esforços de prevenção e combate a incêndios dentro dessa unidade de conservação dependem da retomada da gestão da área. Nas atuais condições, qualquer ação coloca a vida de agentes do governo e brigadistas em risco", admite Garcia.

CHAPADA DIAMANTINA - O fogo também destrói três áreas distintas do Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD). Dois incêndios, um deles localizado na serra da Sibéria, município de Mucugê, e outro no Baixio, município de Lençóis, acontecem no interior da unidade de conservação. Cerca de 50 brigadistas locais se revesam e brigam contra as chamas. Um terceiro foco de calor identificado no entorno da unidade de conservação queima o morro do Sabaru, no município de Palmeiras. Uma equipe da brigada da região já chegou ao local para o combate.

O incêndio da serra da Sibéria é o mais preocupante, pois a região é de difícil acesso. Além disso, a escassez de água na área também dificulta o trabalho dos brigadistas. De acordo com o analista ambiental Pablo Casella, funcionário do Parque desde 2002, o PNCD é uma unidade de conservação recordista nacional em número de focos de incêndio por ano. "O fogo é um dos maiores inimigos do Parque. Para combatê-lo temos feito, há meia década, planos de prevenção e combate. Essa iniciativa conta com o inestimável e imprescindível apoio de um verdadeiro exército de brigadistas. Sem eles, o PNCD já teria perdido muito mais de sua riqueza e diversidade", garante Pablo.

SAIBA MAIS

O Prevfogo é um centro especializado do Ibama cuja competência é coordenar as ações necessárias à organização, implementação e operacionalização das atividades relacionadas com a educação, pesquisa, prevenção, e controle e combate aos incêndios florestais e queimadas. Os focos de calor detectados são classificados de acordo com um sistema de alertas que os relaciona conforme com a persistência, localidade e o risco que eles oferecem.

Alerta Verde: Detecção de foco de calor em área florestal ou em terras indígenas.

Alerta Amarelo: Detecção de foco de calor no interior ou no buffer interno de uma Unidade de Conservação (até 5 Km fora do limite da unidade); Incêndio confirmado no buffer interno de uma UC, pois entende-se que neste caso, há risco evidente para a Unidade; Foco persistente em uma mesma área de floresta por mais de 1 dia.

Alerta Vermelho: Incêndio confirmado no interior de uma UC; Incêndio florestal confirmado.