ICMBio planeja ações para projeto GEF-Mar

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br/ - 02/07/2015
O Projeto visa aumentar em 5% a superfície marinha protegida


O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) reuniu, em meados de junho (15 e 16) representantes de unidades de conservação (UCs) e centros de pesquisa e conservação do Instituto situados em ambiente marinho e costeiro para uma primeira reunião de planejamento das ações de monitoramento da biodiversidade do projeto denominado "Áreas Marinhas e Costeiras Protegidas - GEF-Mar". O objetivo foi fazer um primeiro delineamento da integração de ações em torno de objetivos e protocolos comuns, que se inserem na articulação mais abrangente do monitoramento marinho, envolvendo numerosas instituições e iniciativas.

Dentre as UCs, estiveram representadas na reunião as Áreas de Proteção Ambiental (APA) de Fernando de Noronha, Costa dos Corais e da Baleia Franca, os Parques Nacionais (Parna) de Fernando de Noronha, Abrolhos e Lagoa do Peixe, a Reserva Biológica (Rebio) Atol das Rocas, as Reservas Extrativistas (Resex) Canavieiras, Corumbau, Cassurubá e o Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Ilha dos Lobos.

Estiveram presentes representantes dos centros de pesquisa e conservação administrados pelo ICMBio nas áreas de biodiversidade marinha (CEPENE, CEPSUL, CEPNOR), de sócio-biodiversidade associada a povos e comunidades tradicionais (CNPT), mamífero aquáticos (CMA) e tartarugas marinhas (TAMAR). Participaram, ainda, representantes da Secretaria de Biodiversidade e Florestas do MMA e do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio).

O principal foco do encontro foi avançar no estabelecimento de estratégias para articulação das iniciativas de monitoramento existentes, incluindo a definição de objetivos, identificação dos principais alvos de monitoramento, estratégias com parceiros e análise de lacunas e de potencialidades.

Durante a reunião, foram apresentados os objetivos do projeto Gef-Mar, as expectativas de atuação abrangente, sistêmica e articulada. Foram expostos o histórico, conceitos e os princípios adotados nos programas institucionais de monitoramento em andamento, com ênfase no princípio da modularidade, ou seja, a possibilidade de incremento gradual de complexidade ao monitoramento ao longo do tempo.

As UCs e os centros de pesquisa apresentaram iniciativas de pesquisa e monitoramento, realizadas no âmbito do ICMBio, com potencial de serem aprimoradas e potencializadas no projeto GEF-Mar.

A reunião foi o primeiro passo concreto do componente 3.1 "monitoramento da biodiversidade" em direção à implementação do projeto GEF-Mar. "Precisamos promover uniões entre os Centros de Pesquisa, as UCs e a sede para construir um planejamento "em comum" que agregue complexidade em médio e longo prazo e que também possibilite a busca de um sistema de prática de manejo sustentável que integre toda a região", frisou a Coordenadora Geral de Pesquisa e Monitoramento Kátia Torres Ribeiro.

Saiba mais sobre o GEF Mar

O Brasil tem uma das maiores faixas costeiras do mundo, que se estende linearmente por mais de 8.500 km, abrangendo 17 estados e mais de 400 municípios. Porém, apenas 1,5 % do litoral brasileiro é protegido, área equivalente a 55 mil km². O Projeto Áreas Marinhas Protegidas (GEF Mar), iniciado em 2014 e com duração de cinco anos, tem como objetivo principal apoiar a criação e a implementação de um sistema representativo e efetivo de áreas marinhas e costeiras protegidas (AMCPs) para reduzir a perda de biodiversidade.

O objetivo é aumentar em 5% a superfície protegida, totalizando 175 mil km² - área maior do que a Grécia. As ações beneficiarão por volta de 43 milhões de pessoas, em 514 mil quilômetros quadrados ao longo do litoral do país, trazendo melhorias sociais e econômicas decorrentes da proteção da capacidade dos ecossistemas costeiros e marinhos de produzir alimentos e manter a boa qualidade da água. Além disso tais ações potencializarão as condições de resistência e recuperação da degradação.

O projeto tem um investimento inicial de US$ 18,2 milhões do Fundo Ambiental Global (GEF, na sigla em inglês) via Banco Mundial, US$ 20 milhões da Petrobras e contrapartidas da própria empresa em bens e serviços economicamente mensuráveis, que chegam a US$ 70 milhões adicionais. O projeto conta ainda com contrapartidas do MMA e ICMBio.

O Funbio atuará como gestor financeiro do programa, bem como no desenho de pelo menos dois mecanismos financeiros para apoiar a sustentabilidade, a longo prazo, do sistema de AMCPs.

Este projeto é um exemplo do envolvimento do setor privado e do comprometimento governamental na conservação da biodiversidade marinha, sendo considerado pelo Banco Mundial um modelo para o Global Partnership for Oceans (GPO), uma aliança crescente de mais de 100 governos, organizações internacionais, setor privado e grupos da sociedade civil, incluindo o Funbio, comprometidos com a conservação dos oceanos.



http://www.icmbio.gov.br/portal/comunicacao/noticias/4-destaques/6873-icmbio-planeja-acoes-para-projeto-gef-mar.html
Recursos Hídricos:Conservação

Related Protected Areas:

Our sites


Visit the other platforms developed by the Protected Areas Monitoring Program of the Instituto Socioambiental.

Support


This platform would not be possible without the help of our supporters.

Gordon and Betty Moore Foundation
 
© Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos de textos é necessário citar o autor (quando houver) e o site (Unidades de Conservação no Brasil/Instituto Socioambiental - https://uc.socioambiental.org) e data de acesso. A reprodução de fotos e ilustrações não é permitida. Entre em contato para solicitações comerciais de uso do conteúdo.