Estação Ecológica do Rio Madeirinha

Área 13.683,00ha.
Jurisdição Legal Amazônia Legal
Ano de criação 1997
Grupo Proteção Integral
Instância responsável Estadual
Documento Decreto - 1.799 - 04/11/1997
Mosaicos Amazônia Meridional

Mapa

Municípios

Município(s) no(s) qual(is) incide a Unidade de Conservação e algumas de suas características

Municípios - ESEC do Rio Madeirinha

# UF Municipality População (IBGE 2018) População não urbana (IBGE 2010) População urbana (IBGE 2010) Área do Município (ha) (IBGE 2017) Área da UC no município (ha) Área da UC no município (%)
1 MT Colniza 37.280 11.394 14.987 2.794.612,60 11.628,43
84,98 %

Ambiente

Fitofisionomia

Fitofisionomia (cursos d'água excluídos) % na UC
Floresta Ombrófila Aberta 100,00

Bacias Hidrográficas

Bacia Hidrográfica % na UC
Madeira 100,00

Biomas

Bioma % na UC
Amazônia 100,00

Gestão

  • Órgão Gestor: (CUCO) Coordenadoria de Unidades de Conservação
  • Tipo de Conselho: Consultivo
  • Year of creation: 2014

Documentos Jurídicos

Documentos Jurídicos - ESEC do Rio Madeirinha

Tipo de documento Número Ação do documento Data do documento Data de Publicação Observação Download
Decreto 1.799 Criação 04/11/1997 04/11/1997 Fica criada a Estação Ecológica do Rio Madeirinha, com área aproximada de 13.682,9663 hectares, localizada no Município de Aripuanã-MT para assegurar a conservação de amostras de ecossistema, da diversidade biológica e proporcionar oportunidades controladas para educação e pesquisas científicas (DOE 4/11/97).  
Edital s/n Regularização fundiária 17/10/2014 17/10/2014 Convocação da SEMA para proprietários e posseiros apresentarem documentos referentes aos imóveis situados nas Unidades de Conservação pendentes de regularização fundiária.  
Portaria 607 Conselho 15/12/2014 18/12/2014 Cria o Conselho Consultivo Da Estação Ecológica do Rio Madeirinha.  
Lei 7163 Criação 23/08/1999 23/08/1999 Fica criada a Estação Ecológica do Rio Madeirinha, com área aproximada de 13.682,9663 hectares, localizada no Município de Aripuanã -

Documentos de gestão - ESEC do Rio Madeirinha

Tipo de plano Ano de aprovação Fase Observação

Sobreposições

Não existem sobreposições desta Unidade de Conservação com outras Áreas Protegidas.

Principais Ameaças

Não há informações cadastradas sobre o tema "Pressões e Ameaças".

Características

Olhando para cima é possível que se enxergue toda a exuberância da Estação ecológica do Rio Madeirinha. Isso porque uma de suas principais características é a existência de árvores imensas - geralmente acima de 25 metros de altura, que compõem um cenário exuberante no interior da Floresta Amazônica. A Estação localiza-se no noroeste do estado, próxima à divisa com os estados do Amazonas e Rondônia, e à margem direita do Rio Madeirinha. A vegetação predominante da região é a floresta ombrófila. Quanto à fauna, é preciso ressaltar sua característica de refúgio natural. A forte compartimentação do relevo, por outro lado, oferece distintas possibilidades de habitats, aumentando as chances de alta diversidade de fauna e de flora. Os principais problemas que ameaçam a Estação são a presença de madeireiras e de garimpos no entorno da região. (Fonte: Unidades de Conservação do Mato Grosso-FEMA, 2002).

Situa-se no extremo noroeste do estado de MT, próximo a divisa com os estados do Amazonas e Rondônia, em uma região de baixa densidade demográfica, fora das zonas de expansão agro-pastoril que se formam no norte de MT e noroeste de Rondônia, exibindo ainda um alto nível de conservação dos seus recursos naturais. Sua importância ecológica refere-se, sobretudo, ao fato de representarem porções íntegras da parte meridional da floresta Amazônica (fonte: DGA - Mato Grosso).

Contato

Secretaria de Estado de Meio Ambiente - SEMA/MT
Rua C, esquina com a Rua F - Centro Político Administrativo
CEP: 78050-970 - Cuiabá - MT

Notícias

Total de 16 notícias sobre a área protegida ESEC do Rio Madeirinha no banco de dados RSS

Ver todas as notícias dessa área protegida

 

As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.